Economia 51 prémios Nobel dos EUA subscrevem petição contra decreto de Trump

51 prémios Nobel dos EUA subscrevem petição contra decreto de Trump

Mais de 20 mil professores universitários norte-americanos, incluindo 51 vencedores do Nobel, que assinaram uma petição contra o decreto sobre imigração e refugiados de Donald Trump, esperam que a sua iniciativa mude a perspectiva do Presidente dos EUA.
51 prémios Nobel dos EUA subscrevem petição contra decreto de Trump
Lusa 02 de fevereiro de 2017 às 20:15

"É importante, talvez mesmo imperativo, que um novo Presidente obtenha reacções dos seus vários constituintes. Há muitas formas de o fazer, enquanto indivíduo ou professor. Uma petição assinada por uma grande audiência de académicos respeitados é uma das grandes avenidas que podem melhorar a resposta de um Presidente", explicou à Lusa um dos signatários, David Yoffie.

 

Na sexta-feira, Donald Trump assinou uma ordem executiva que suspende a chegada ao país de todos os refugiados por um período mínimo de 120 dias - para os refugiados sírios o prazo é indeterminado - e que impede a entrada nos Estados Unidos durante três meses aos cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Iraque, Irão, Iémen, Líbia, Somália, Sudão e Síria.

 

A ordem executiva, que inclui imigrantes com residência permanente e estudantes, surgiu no âmbito de um pacote de medidas para proteger o país de "terroristas islâmicos radicais".

 

David Yoffie, que ensina economia na Universidade de Harvard, diz que decidiu assinar a petição no sábado de manhã, depois de uma aluna com nacionalidade de um dos países em questão lhe ter escrito explicando que tinha de escolher entre visitar a família e não poder regressar aos EUA ou continuar a sua educação.

 

"A decisão foi rápida e fácil. A política do Presidente Trump é uma desgraça. É a resposta de uma pessoa preguiçosa a um problema complexo. Foi mal concebida, revista de forma desadequada, é discriminatória, contraproducente e fundamentalmente anti-americana", explicou o professor num texto partilhado na página da Universidade de Harvard na Internet.

 

Até quinta-feira, mais de 20 mil professores universitários tinham assinado a petição, incluindo 51 vencedores do prémio Nobel e 572 membros da Academia de Ciência Engenharia e Artes dos EUA. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
nb 02.02.2017

Sempre que este faça alguma coisa de jeito, o que não sido o caso, será criticado, por não fazer parte da casta iluminada para gerir os EUA.

conselheiro de estado 02.02.2017

Ha um ditado que diz:gato escaldado de agua fria tem medo.Os americanos nao vao esquecer mais o terror dos avioes que demoronou as torres na America.Por outro lado temos visto que com a chegada dos refugiados sirios tem deixado os europeus desassossegados.Vao ver:entrada de leao,saida de cordeiro.

pub