Conjuntura Bruxelas revê em alta crescimento da Zona Euro para este ano mas corta previsão para 2017

Bruxelas revê em alta crescimento da Zona Euro para este ano mas corta previsão para 2017

A Comissão Europeia nas previsões de Outono reviu o crescimento para a Zona Euro, em alta para este ano, mas cortou nas perspectivas para 2017.
Bruxelas revê em alta crescimento da Zona Euro para este ano mas corta previsão para 2017
Reuters
Alexandra Machado 09 de Novembro de 2016 às 11:46
No dia em que Donald Trump venceu as eleições norte-americanas, a Comissão Europeia divulgou as suas previsões de Outono

E nelas Bruxelas aponta para um crescimento para a Zona Euro de 1,7% em 2016, o que significa uma subida face às previsões da Primavera que apontavam para uma subida do PIB do bloco de 1,6%.

Mas se em 2016 a economia poderá crescer mais do que anteriormente estimado, para 2017 a alteração foi no sentido contrário. Para 2017, a Comissão Europeia acredita que a Zona Euro vai, agora, crescer 1,5%, o que compara com os 1,8% anteriores. Para 2018, Bruxelas antecipa um crescimento de 1,7%. A Comissão acredita que o crescimento da Zona Euro será sustentado pelo consumo interno. 

A Comissão Europeia acredita que a quota de mercado da Zona Euro nas exportações vai reduzir-se marginalmente em 2017 e estabilizar em 2018. Com as importações a crescer a um ritmo superior ao das exportações, o contributo das exportações para o crescimento do PIB no bloco do euro deverá manter-se ligeiramente negativo até 2018.

Nas previsões relativas à inflação, Bruxelas não antecipa para os próximos anos a meta pretendida pelo BCE com o plano de estímulos económicos. A inflação na Zona Euro deverá crescer dos 0,3% previstos para 2016 para 1,4% em 2017 e 2018.

Quanto às contas públicas da Zona Euro, Bruxelas antecipa um decréscimo de um défice de 1,8% este ano para 1,5% em 2017. Bruxelas explica esta descida por factores como as menores transferências sociais, devido à queda no desemprego, moderação nos salários no sector público, e menores despesas com juros. Também a dívida, em percentagem do PIB, deverá continuar a cair. 

A Comissão Europeia vê nuvens no horizonte. As intenção de investimento poderá ser abaladas, com ainda alta dívida das famílias e das empresas a ensombrar alguns países e a afastar investimentos.

"A elevada incerteza de natureza económica e política deverá continuar a pesar no crescimento do investimento". O período de elevada incerteza é por conta do Brexit, e das negociações para que a saída do Reino Unido da União aconteça. Como os termos das negociações desconhecidos, "alguns investimentos poderão ser cancelados ou adiados, tanto no Reino Unido como no resto da Europa". O investimento total deverá crescer na Zona Euro em 2017 em 3,1% e 3,5% em 2018. 

Para o conjunto da União Europeia, Bruxelas aponta para um crescimento este ano de 1,8%, mantendo a anterior projecção, mas reduz também a previsão para 2017 de 1,9% para 1,6%. Em 2018, a economia do bloco deverá voltar a crescer 1,8%.

"O crescimento económico na Europa deverá continuar a um ritmo moderado, com os recentes crescimentos no mercado do trabalho e consumo privado a serem contrabalançados com obstáculos ao crescimento e fraqueza de factores de apoio".


Projecções para Zona Euro2015201620172018
Crescimento PIB (%, yoy) 2,0 1,7 1,5 1,7
Inflação (%, yoy) 0,0 0,3 1,4 1,4
Desemprego (%) 10,9 10,1 9,7 9,2
Défice orçamental (% of GDP) -2,1 -1,8 -1,5 -1,5
Dívida pública bruta (% of GDP) 92,6 91,6 90,6 89,4


Projecções para União Europeia2015201620172018
Crescimento PIB (%, yoy) 2,2 1,8 1,6 1,8
Inflação (%, yoy) 0,0 0,3 1,6 1,7
Desemprego (%) 9,4 8,6 8,3 7,9
Défice orçamental (% of GDP) -2,4 -2,0 -1,7 -1,6
Dívida pública bruta (% of GDP) 86,6 86,0 85,1 83,9

(Notícia actualizada às 12:15 com mais informações)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub