Economia Caldeira Cabral: Acordo com o Mercosul mostrará que a UE continua aberta ao mundo

Caldeira Cabral: Acordo com o Mercosul mostrará que a UE continua aberta ao mundo

O ministro da Economia português disse esta quarta-feira, num encontro com empresários em São Paulo, no Brasil, que um possível acordo com o Mercosul mostraria que a União Europeia, apesar da saída do Reino Unido, continua aberta ao mundo.
Caldeira Cabral: Acordo com o Mercosul mostrará que a UE continua aberta ao mundo
Bruno Simão/Negócios
Lusa 16 de Novembro de 2016 às 23:59

"A União Europeia agora tem que decidir se será apenas mais um bloco fechado ou se estará aberta para o mundo", disse Manuel Caldeira Cabral.

 

Em entrevista à agência Lusa, o ministro lembrou que Portugal já assumiu publicamente o seu apoio à finalização e aprovação do acordo discutido entre os dois blocos continentais há mais de dez anos.

 

"Este acordo com o Mercosul seria um sinal importante que a União Europeia, daria ao mundo para mostrar que continua a apostar na abertura do comércio. Que continua a ser uma região promotora de um mundo mais aberto", afirmou Caldeira Cabral.

 

Sobre o processo de saída do Reino Unido (Brexit), que tem monopolizado a atenção dos líderes e paralisou a negociação com o Mercosul, Caldeira Cabral disse que as dificuldades trazidas pelo 'Brexit' não devem paralisar as ambições dos países europeus.

 

"O facto de haver negociações com o Reino Unido, que são um aspecto muito importante para a União Europeia, não deve impedir, pelo contrário, deve fomentar que se acelerem as negociações com o Mercosul. Devemos mostrar que a União Europeia não está apenas a olhar para suas potenciais perdas, mas está a olhar para os ganhos que podem vir no futuro", concluiu o ministro.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub