Economia Câmara de Oliveira do Hospital detecta lapsos na lei de defesa da floresta

Câmara de Oliveira do Hospital detecta lapsos na lei de defesa da floresta

A Câmara de Oliveira do Hospital alertou para vários lapsos na lei que altera o Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios, aprovada em Julho, e o parlamento decidirá na próxima semana o que fazer.
Câmara de Oliveira do Hospital detecta lapsos na lei de defesa da floresta
Ricardo Almeida/Correio da Manhã
Lusa 17 de setembro de 2017 às 12:23

A carta da autarquia foi divulgada na reunião da comissão parlamentar de Agricultura e Pescas de quarta-feira, tendo sido pedido aos partidos que tomassem uma posição quanto à possibilidade de fazer a rectificação do diploma. Os lapsos referem-se a remissões erradas entre artigos e números da lei.

 

Depois de uma "leitura e análise cuidada" do texto, a câmara de Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, conclui que não há relação entre números e artigos para matérias que não têm ligação – relacionando edificações ou edifícios com a gestão de combustíveis [lenha] existente no mesmo".

 

O presidente da comissão, Joaquim Barreto, disse à Lusa que deverá haver uma decisão na terça-feira, numa reunião de coordenadores e membros da mesa, quando os partidos comunicarem a sua posição.

 

A rectificação de diplomas é uma possibilidade prevista no Regimento da Assembleia da República e, neste caso, o prazo legal não foi ultrapassado.

 

A lei n.º 76/2017 inclui-se no chamado pacote florestal e foi votada na longa maratona da reunião da comissão de Agricultura, em Julho.

 

Estes diplomas, a aguardar aprovação quando se deram os incêndios que começaram em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, em Junho, e fizeram pelo menos 64 mortos, foram depois aprovados, em resposta a apelos do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub