Política Carl Icahn é conselheiro de Trump na reforma da regulação federal

Carl Icahn é conselheiro de Trump na reforma da regulação federal

O multimilionário investidor Carl Icahn foi nomeado pelo presidente eleito norte-americano Donald Trump como conselheiro especial para o ajudar a rever as regulações federais, estando em vista a reversão das que não promovem o crescimento das empresas.
Carl Icahn é conselheiro de Trump na reforma da regulação federal
Bloomberg
Carla Pedro 21 de dezembro de 2016 às 23:48

O célebre gestor e investidor Carl Icahn (na foto) foi nomeado por Donald Trump como seu conselheiro especial para o ajudar a reformar as regulações federais  – e reverter mesmo algumas delas – de modo a que o crescimento empresarial seja promovido.

 

"A sua ajuda, no que diz respeito às regulações que asfixiam o nosso país, será inestimável", afirmou o próximo residente da Casa Branca num comunicado citado pela Bloomberg esta quarta-feira, 21 de Dezembro.

 

Icahn, conhecido também pela sua defesa acérrima da Herbalife – num braço-de-ferro com o CEO do fundo de cobertura de risco Pershing Square, Bill Ackman, que acusa a empresa de suplementos nutricionais de operar um esquema piramidal – revelou em Setembro do ano passado o seu apoio a Trump e chegou a ser falado como um dos possíveis nomes para secretário do Tesouro da Administração do republicano.

Os investidores estão convictos de que as políticas da Administração Trump irão incentivar o crescimento económico, o que tem animado em bolsa os sectores que são percepcionados como os maiores beneficiários desse cenário, sustentando fortemente os títulos industriais, farmacêuticos e bancários.

 

Os bancos e as farmacêuticas estão a beneficiar da expectativa de que o novo presidente norte-americano e o Congresso – controlado pelos republicanos – revertam alguns dos regulamentos mais pesados para estes sectores. No passado dia 21 de Novembro, Trump já veio dizer, quando apresentou o seu programa para os primeiros 100 dias na Casa Branca, que iria reduzir as regulações corporativas.

Icahn, com uma fortuna avaliada em 20 mil milhões de dólares, é o 20º homem mais rico dos Estados Unidos, segundo o Índice de Multimilionários da Bloomberg.

 

O investidor detém posições no capital social de muitas empresas, em sectores que vão da biotecnologia à energia, passando pelos metais, acessórios automóveis, casinos, telecomunicações, imobiliário e carruagens ferroviárias.

Essas participações poderão vir a constituir um problema, por uma questão de incompatibilidade com as suas novas funções. Com efeito, Eric Walker, porta-voz do Comité Nacional Democrata, já reagiu a esta nomeação, criticando o conflito de interesses que se gera por Icahn ter a seu cargo a responsabilidade de supervisionar as reformas regulatórias, ao mesmo tempo que detém - e, nalguns casos, controla - empresas que poderão vir a beneficiar das mudanças que ele vier a fazer.

 

Trump, por seu lado, já vendeu todas as suas participações accionistas. Com efeito, no passado dia 7 de Dezembro, um porta-voz do republicano, Jason Miller, afirmou que em Junho deste ano Donald Trump se desfez de todas as posições accionistas que detinha.

 

Assim, depois de a 2 de Agosto Trump ter dito numa entrevista à Fox Business que já não detinha quaisquer acções de empresas, Miller confirmou este mês, citado pela Bloomberg, que o magnata do imobiliário tinha vendido tudo em Junho.

 

Trump desfez-se das participações que detinha no capital de cerca de 100 empresas, como a Apple, Microsoft, Exxon Mobil, Ford Motor, Citigroup, Pepsi, General Electric e Boeing – e cujo valor ascendia a 38 milhões de dólares – referiram a Bloomberg e a CNN.



(notícia actualizada às 00:11 de quinta-feira, 22 de Dezembro)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub