Economia Chiado, Rua Augusta e Belém com barreiras anti-terrorismo

Chiado, Rua Augusta e Belém com barreiras anti-terrorismo

A colocação de barreiras de segurança em Lisboa estava em estudo há meses devido aos ataques terroristas que têm ocorrido na Europa através do atropelamento de pessoas, disse hoje à Lusa fonte do Ministério da Administração Interna.
Chiado, Rua Augusta e Belém com barreiras anti-terrorismo
Mariline Alves/CM
Lusa 20 de agosto de 2017 às 19:48
A fonte explicou à Lusa que a colocação de barreiras de segurança/contenção no Chiado, Rua Augusta e Belém, que hoje começou, estava a ser estudada há algum tempo devido ao novo 'modus operandi' de acções terroristas ocorridas na Europa, nomeadamente com veículos a atropelar pessoas em passeios, praças, avenidas ou passeios marítimo muito movimentados.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Lisboa (CML) explicou que está a proceder ao reforço da instalação de medidas passivas de segurança na via pública, tendo em vista melhorar a protecção em zonas com elevada afluência de pessoas e que se trata de "soluções compatíveis com o acesso rápido para eventuais operações de socorro, em particular por parte de bombeiros e ambulâncias".

A fonte do Ministério referiu que estas barreiras [blocos New Jersey] já são utilizadas em várias cidades europeias, após as acções terroristas de Nice (França), Londres, Berlim ou Estocolmo.

Estas medidas surgem dias depois de a região da Catalunha, Espanha, ter sido alvo de dois ataques terroristas, que fizeram um total de 14 mortos e 135 feridos, com a utilização de viaturas que atropelaram pessoas indiscriminadamente.

A facilidade com que a furgoneta que na quinta-feira percorreu metade das Ramblas, onde entrou desde a Praça da Catalunha, em Barcelona, tem sido apontada como uma falha na segurança por populares e organizações.

Esta questão foi rejeitada pela presidente da Câmara de Barcelona, que defendeu que não seria possível evitar um atentado, porque se houvesse barreiras, os terroristas teriam conseguido entrar por outro lado.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 dia

Os europeus, Portugal incluído, são vítimas da Sharia, anti-liberal e inerentemente anti-mercado, dos direitos adquiridos. A mesma que defende o direito ao trabalho dê por onde der e os empregos e generosos benefícios sociais garantidos para a vida toda e sempre a subir, o keynesianismo despesista do tipo que ordena a abertura de buracos nas ruas só para depois os ter que tapar logo de seguida e assim ver o PIB anual crescer por virtude de um efeito multiplicador quase bíblico que acaba sem pão ou sem peixe alguns para a multidão e o esquema em pirâmide da Segurança Social estatal cuja base se estreita a cada ano que passa e desemboca na imigração "open door", sem critérios de selectividade orientados para as reais necessidades ditadas pelas forças de mercado a cada momento.

comentários mais recentes
Estava a ser estudada há algum tempo Há 1 dia

Sim, pois devem pensar que o pagode é tolo.
Sejam sinceros e digam que estão com MEDO.
Islâmicos=atrasados culturais
Não sou racista porque os islâmicos pertencem à raça humana tal como Eu.
Sou anti-multicultural, a minha cultura é do séc. XXI a deles é séc. XII.
Percebem são incompatíveis!

Anónimo Há 1 dia

Os europeus, Portugal incluído, são vítimas da Sharia, anti-liberal e inerentemente anti-mercado, dos direitos adquiridos. A mesma que defende o direito ao trabalho dê por onde der e os empregos e generosos benefícios sociais garantidos para a vida toda e sempre a subir, o keynesianismo despesista do tipo que ordena a abertura de buracos nas ruas só para depois os ter que tapar logo de seguida e assim ver o PIB anual crescer por virtude de um efeito multiplicador quase bíblico que acaba sem pão ou sem peixe alguns para a multidão e o esquema em pirâmide da Segurança Social estatal cuja base se estreita a cada ano que passa e desemboca na imigração "open door", sem critérios de selectividade orientados para as reais necessidades ditadas pelas forças de mercado a cada momento.

General Ciresp Há 1 dia

Acho que estava no programa da calamidade ontem apresentado pelo d.branca.Aos islamitas so lhes interessa TANCOS,para ficarem bem atancados.

pub