Economia Contrafacção de notas aumenta em Portugal com destaque para as de 500 euros  

Contrafacção de notas aumenta em Portugal com destaque para as de 500 euros  

O número de notas de euro retiradas de circulação no segundo semestre foi inferior a 10.000.
Contrafacção de notas aumenta em Portugal com destaque para as de 500 euros   
Bloomberg
Negócios 26 de janeiro de 2018 às 10:57

Continua a aumentar a contrafacção de notas de euro em Portugal, embora o Banco de Portugal refira que "os valores permanecem residuais quando comparados com as notas em circulação".

 

De acordo com o banco central, "durante o segundo semestre de 2017, em Portugal, foram retiradas da circulação 9.760 notas contrafeitas, mais 1.679 do que no primeiro semestre". Nos primeiros seis meses do ano passado, o número de notas retiradas de circulação tinha quase duplicado o registado no mesmo período de 2016.  

 

As notas mais falsificadas em Portugal continuam a ser as de 20 euros (5.223), sendo que no primeiro semestre de 2017 também se situou acima dos 5.000.

 

Mas o maior crescimento foi observado nas notas de 500 euros. No primeiro semestre deste ano foram retiradas de circulação 123 notas de 500 euros, mais de sete vezes do que há um ano. No segundo semestre o volume foi muito superior: 1.976.


O Banco de Portugal explica que "o acréscimo verificado na apreensão de notas de 500 euros resultou de uma apreensão de 1962 notas", sendo que "estas notas são de baixa qualidade, claramente distintas das notas genuínas e têm a palavra 'espécime' escrita".

Asinda assim, regista-se um forte aumento na contrafacção daquela que é a nota mais valiosa e muitas vezes associada a actividades ilegais, fuga ao fisco e branqueamento de capitais. Tem sido noticiado que o BCE equaciona acabar com a produção de novas notas de 500 euros.





 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar