Economia Portugal quer mais coordenação entre políticas orçamentais e BCE

Portugal quer mais coordenação entre políticas orçamentais e BCE

O primeiro-ministro insistiu este sábado na importância das políticas orçamentais estarem coordenadas com as políticas monetárias conduzidas pelo BCE. Depois de Portugal, o próximo encontro dos países do Sul será em Espanha.
Portugal quer mais coordenação entre políticas orçamentais e BCE
Bruno Simão/Negócios
Lusa 28 de janeiro de 2017 às 16:23
O primeiro-ministro português, António Costa, defendeu este sábado maior coordenação das políticas orçamentais europeias e destas com as políticas do Banco Central Europeu (BCE), enquanto "condições essenciais para o crescimento e o emprego".

"Uma maior coordenação das políticas orçamentais, e das políticas orçamentais com as políticas do Banco Central Europeu, são condições essenciais para o crescimento e o emprego", defendeu António Costa, durante a declaração final conjunta das chefes de Estado e de Governo dos países do sul da União Europeia.

O anfitrião da cimeira dos países do sul, que decorreu hoje em Lisboa, defendeu também a conclusão da "união económica e monetária, melhorando os mecanismos de prevenção de riscos, nomeadamente na área da união bancária, mecanismos que respondam aos choques assimétricos, em particular no mercado do trabalho".

O chefe do executivo português afirmou ainda a necessidade de se "dotar a zona euro de capacidade orçamental", que permita apoiar uma maior convergência entre as economias.

Próximo encontro será em Espanha

Este segundo encontro de países do Sul não será o último. O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, anunciou que a próxima cimeira de sete países do sul da Europa, incluindo Portugal, decorrerá em Espanha, em abril. O anúncio foi feito na declaração conjunta dos dirigentes, no final da cimeira, que reuniu hoje em Lisboa os Presidentes de França e de Chipre e os primeiros-ministros de Portugal, Espanha, Grécia, Malta e Itália, naquele que foi o segundo encontro destes países.

Segundo o texto da declaração conjunta final, Chipre será o país que acolherá a cimeira seguinte.

A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
CHEF 29.01.2017

Se estes o países tem muita dívida, uma boa parte dela foi para os países do Norte da Europa. Chegará a hora desses países do Norte redistribuído uma parte dos lucros que tiveram com os países do Sul. Estamos perto deste cenário.

Anónimo 28.01.2017

Este facadas nao tarda nada entrega o governo em BANCARROTA ao passos! E depois tal qual o LADRÃO44 a culpa conjuntura internacional.

Anónimo 28.01.2017

Foi a porta fechada fica tudo nos segredos doe deuses.Ainda gostava de saber o q e q a Franca teria dito a estes esfomeados de guita.Ja nao posso precisar quanto homens eram q tinham mais q o resto do mundo,sei q era 1 numero restrito.Posso dizer que 3 paisecos periferic devem mais q o resto do mund

Anónimo 28.01.2017

A ideia é gastar e mandar a conta aos países do norte, vais ter uma sorte Costa!
Vai ao psiquiatra que bem precisas e leva Marcelo pela trela

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub