Política Costa vai a Belém ao final da tarde

Costa vai a Belém ao final da tarde

O primeiro-ministro e o Presidente da República encontram-se ao final da tarde em Belém, depois da demissão da ministra da Administração Interna e de um discurso duro de Marcelo para com o Executivo.
Costa vai a Belém ao final da tarde
Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 18 de outubro de 2017 às 10:24
O primeiro-ministro vai esta quarta-feira a Belém, ao final da tarde, reunir-se com o Presidente da República. O encontro de António Costa com Marcelo Rebelo de Sousa acontece depois de um discurso duro do chefe de Estado para o Governo e poucas horas após a demissão da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa. 

A reunião acontecerá depois de terminados os debate no Parlamento (quinzenal e preparação do Conselho Europeu), marcado para as 15:00, e as audiências que o Presidente tem já ao início da noite. Às 20:00, o CDS é recebido por Marcelo Rebelo de Sousa. Uma hora depois será a vez do PCP. Os tempos indicados na agenda parlamentar apontam para que António Costa consiga sair do Palácio de S. Bento por volta das 17:30.  

Para já ainda não é claro se Costa irá a Belém para levar já o nome do substituto de Constança Urbano de Sousa. 

Na terça-feira, a ministra da Administração Interna pediu formalmente a demissão ao primeiro-ministro. Na carta, que foi disponibilizada pelo gabinete do chefe do Executivo, Constança Urbano de Sousa explica que pediu a Costa para sair do Governo desde a tragédia de Pedrógão, onde morreram 64 pessoas vítimas de incêndios, um pedido que Costa travou. 

O pedido formal surge agora depois de uma nova tragédia motivada por incêndios, onde já foram contabilizados 42 mortos.

O gabinete de António Costa informou esta manhã que o primeiro-ministro aceitou hoje o pedido de Constança Urbano de Sousa. 

Na terça-feira à noite, o Presidente da República fez uma declaração ao país onde foi muito duro para com o Governo. Não só não deixou espaço para a continuidade de Constança Urbano de Sousa à frente do cargo, como avisou o Executivo que se há margens orçamentais elas têm de ser usadas com a reforma das florestas e pediu ao Executivo que olhasse para as populações afectadas e não para as que se manifestam em Lisboa. 

Mais: Marcelo Rebelo de Sousa avisou ainda que usará os seu poderes para que seja feito o que é preciso fazer em matéria de combate a incêndios e reforma da floresta, colocando assim uma espada não só sobre a ministra, mas também sobre o primeiro-ministro.    
   
(Notícia actualizada às 10:44)



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 dias

Estas tragédias são sintomáticas da quebra do investimento público em bens de capital, numa altura em que o investimento público em % do PIB em Portugal atingiu um mínimo desde 1960. Não fazer uma boa gestão de recursos humanos promovendo o excedentarismo e fazendo do despedimento um tabu, dá nisto.

comentários mais recentes
Trent Há 3 dias

Vai Costa e mete esse psdzeco no lugar.

Anónimo Há 3 dias

Vai pedir demissão do governo ? E o pior Presidente de sempre vai aceitar e, depois também pede a demissão ? Esperemos que sim.... Estamos fartos dos dois (2).

General Ciresp Há 3 dias

Ui quem ve o d.branca fica com a ideia de que ele em vez de sair pela porta saiu pela chamine.Ja comeca a ficar tudo AFUNILADO para o habil(IDOSO).

Pika Há 3 dias

Oh Senhor presidente. Vai dar tautau no tutú do menino mal comportado, ou premiar o seu "optimismo irritante"? É que já chega de tanta asneira! O povo é sereno, mas só até explodir. E convém não deixar que isso aconteça, senão lá se vai a serenidade e não se sabe como as coisas acabarão!

ver mais comentários
pub