Economia Defesa e Administração Interna deixaram 302 milhões na gaveta
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Defesa e Administração Interna deixaram 302 milhões na gaveta

Pedrogão e Tancos trouxeram para a ordem do dia críticas renovadas dos aliados do Governo à falta de aposta nos serviços do Estado. Números das Finanças mostram que em 2016 Azeredo Lopes e Urbano de Sousa gastaram menos do que podiam.
Defesa e Administração Interna deixaram 302 milhões na gaveta
Pedro Catarino /Correio da Manhã
Marta Moitinho Oliveira 05 de julho de 2017 às 00:01

Os ministérios da Defesa e da Administração Interna tinham autorização do Parlamento para gastar 4.220 milhões de euros no ano passado. Mas a despesa efectivamente realizada ficou 302 milhões de euros

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 05.07.2017

Só avança o que dá contrapartidas financeiras por debaixo da mesa. As luvas têm prioridade. O resto do investimento logo se vê quando houver tempo... O que é preciso é que a folha salarial e de benefícios não pare de crescer.

comentários mais recentes
Anónimo 05.07.2017

Só avança o que dá contrapartidas financeiras por debaixo da mesa. As luvas têm prioridade. O resto do investimento logo se vê quando houver tempo... O que é preciso é que a folha salarial e de benefícios não pare de crescer.

Anónimo 05.07.2017

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal. As pessoas mais desatentas ou distraídas deviam ter consciência disto. Cabe a órgãos de comunicação social como o Jornal de Negócios, de forma pedagógica, a facilitação dessa informação verídica e oportuna à luz dos desafios que Portugal e os portugueses enfrentam e dos quais muitos nem se apercebem. Foi lamentável o que aconteceu em Pedrógão Grande e em Tancos por causa do investimento público ter sido cortado pelo governo socialista para o nível mais reduzido desde 1960 para equilibrar contas públicas pressionadas pela patologicamente extensa e criminosamente hiperinflacionada folha salarial e de pensões do Estado. "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/

Anónimo 05.07.2017

Já era mas agora com a "partida" do saudoso Medina Carreira vai ser um fartar de vilanagem. Já temos que recorrer a jornais espanhóis??? Tudo comprado?

Sabem o que são esses 302 milhões na gaveta? 05.07.2017

São cativações...
Resultado do défice mais baixo desde 1143.
Percebem agora... que o governo existe para se servir dos portugueses e não para servir os portugueses .

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub