Economia Endividamento da economia portuguesa volta a níveis recorde

Endividamento da economia portuguesa volta a níveis recorde

A dívida conjunta do Estado, empresas privadas e famílias em Portugal nunca foi tão elevado como em Abril deste ano, revelam os dados do Banco de Portugal publicados esta quinta-feira, 22 de Junho.
Endividamento da economia portuguesa volta a níveis recorde
Bruno Simão/Negócios
Nuno Carregueiro 22 de junho de 2017 às 11:59

Esta subida resultou do efeito combinado do aumento do endividamento do sector público e das empresas, que elevou a dívida da economia portuguesa (excluindo o sector financeiro) para 723,6 mil milhões de euros.

 

Trata-se de uma forte subida de 5 mil milhões de euros face a Março, para um valor que supera o anterior recorde, fixado em Fevereiro de 2015 nos 720,4 mil milhões de euros.

Este recorde fixado em Abril surge contra a tendência de desalavancagem da economia portuguesa, que estava a ganhar particular relevo no sector privado, ou seja, entre as empresas e as famílias.

 

Se em termos nominais o endividamento da economia está em níveis recorde, quando medido o peso no PIB já foi mais elevado no passado. Tendo em conta os dados de Março (último mês com dados do PIB disponíveis), a dívida do sector não financeiro correspondia a 385,3%. Em Março de 2016 situava-se nos 392,6% e no passado já chegou a superar os 400%.

 

Na nota publicada esta quinta-feira, o Banco de Portugal diz que grande parte da explicação para o aumento do endividamento total está no sector público, sector em que subiu 4,8 mil milhões de euros para 315,9 mil milhões de euros.

 

Os restantes 200 milhões de euros de aumento dizem respeito ao sector privado, que chegou a Abril com um endividamento de 407,7 mil milhões de euros.

 

"O acréscimo do endividamento do sector público deveu-se ao aumento do financiamento concedido por todos os sectores financiadores, com excepção das empresas", refere o Banco de Portugal, explicando que "a subida do endividamento do sector privado reflecte o acréscimo do endividamento externo das empresas privadas, parcialmente compensado pelo decréscimo do endividamento destas empresas junto do sector financeiro residente".

 

Dentro do sector privado, o endividamento das empresas aumentou ligeiramente para 266 mil milhões de euros, sendo que foi nas companhias de maior dimensão que se verificou a maior subida.

 

Já a dívida dos particulares estagnou nos 141,6 mil milhões de euros, sendo que deste total 102 mil milhões de euros dizem respeito a crédito à habitação.






A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 22.06.2017

As reformas pararam e o despesismo com salários injustificáveis e futuras pensões disparou, iniciando a contagem decrescente para o próximo resgate à República. O engano ou ilusão que se viveu entre 2005 e 2010 está a ser minuciosamente replicado pelo novo governo socialista. Não tenhamos dúvidas disto. Portugal julga-se imune à quarta revolução industrial e mais uma vez opta por não participar nela ou não se adaptar a ela julgando ser possível viver como economia de elevado rendimento usando o paradigma do funcionalismo público excedentário alavancado pelo crédito bancário e tendo uma fé inabalável no turismo.

comentários mais recentes
Anónimo 23.06.2017

Mais do mesmo, a quarta bancarrota já está a caminho, pode demorar 2, 3 ou 4 anos, mas logo logo a realidade chegará.

pertinaz 23.06.2017

AFINAL FOI O ESTUPOR DO ANTÓNIO COSTA QUE CHAMOU O DIABO...!!!

Anónimo 23.06.2017

Não se entendem as causas da crise e a necessária transformação evolutiva da economia sem perceber isto: "We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

Anónimo 23.06.2017

Sobreemprego injustificável, sobrepagamento muito acima do preço de mercado e sobreendividamento insustentável que alimenta e se alimenta dos dois primeiros, dá sempre em falência da organização ou do próprio Estado seja em que parte do mundo desenvolvido for.

ver mais comentários
pub