Zona Euro Eurogrupo aprova medidas de alívio da dívida da Grécia

Eurogrupo aprova medidas de alívio da dívida da Grécia

Os ministros das Finanças da Zona Euro chegaram a acordo para aliviar as condições de pagamento da dívida grega. Atenas terá mais tempo para pagar uma parte do primeiro resgate e uma redução dos juros cobrados em operações relacionadas com o segundo. Objectivo é criar condições para o FMI aceitar financiar o terceiro resgate, em vigor.
Eurogrupo aprova medidas de alívio da dívida da Grécia
Reuters
Sara Antunes 05 de Dezembro de 2016 às 19:16

O Eurogrupo chegou a acordo sobre medidas, que serão implementadas "nas próximas semanas", para ajudar a aliviar o peso da dívida grega. O objectivo é criar condições para que o Fundo Monetário Internacional (FMI) aceite financiar parte do terceiro resgate, em vigor. 

"Hoje, o Eurogrupo discutiu outra vez a sustentabilidade da dívida pública grega, com o objectivo de [o país] recuperar o acesso ao mercado", pode ler-se no comunicado emitido esta segunda-feira, 5 de Dezembro, pelo Eurogrupo.


"Neste contexto, o Eurogrupo aprovou uma série de medidas com base em propostas do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE)" e que passam por alargar a maturidade do pagamento do empréstimo concedido pelo extinto Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), no âmbito do primeiro resgate. Assim, esta parcela do empréstimo poderá ser reembolsada em 32,5 anos".

 

Além desta medida foi também decidido reduzir a taxa de juro cobrada numas operações de recompra de dívida, no âmbito do segundo resgate financeiro.


"As medidas de curto-prazo vão ter um impacto positivo significativo para a estabilidade da dívida grega", adianta o comunicado, que não quantifica esse efeito.

 

Klaus Regling, director do MEE, adiantou que é difícil nesta fase "quantificar" o valor do conjunto de medidas, de acordo com a Lusa.


A Grécia recebeu, desde 2010, três pacotes de financiamento externos. A discussão em torno do alívio da dívida, que se encontra em torno dos 180% do produto interno bruto (PIB), tem sido reclamada pelo governo de Atenas, que a considera insuportável, mas também pelo FMI, que tem pedido aos europeus para aligeirar o fardo a troco da eventualidade de voltar a financiar o país.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas


IGUALDADE PARA TODOS

Os cortes nas PENSÕES ATUAIS devem, obrigatoriamente, ser IGUAIS aos cortes nas PENSÕES FUTURAS!

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Portugal tem o mesmo direito,o que é para um, é para todos

Anónimo Há 2 semanas


IGUALDADE PARA TODOS

Os cortes nas PENSÕES ATUAIS devem, obrigatoriamente, ser IGUAIS aos cortes nas PENSÕES FUTURAS!

Anónimo Há 2 semanas

CAMILO! ESTE JORNAL NOTICIOU HÁ DIAS QUE O TEU AMIGO SCHAUBLE DEU UM REDONDO NÃO - COMO SEMPRE O FAZ - A QUEM QUEIRA ALIVIAR A DÍVIDA COMO ERA O CASO DA GRÉCIA. AGORA TEVE DE ENGOLIR EM SECO. SERÁ QUE ESTÁ A IR-SE ABAIXO COM O QUE VÊ? SE ASSIM É JÁ COMEÇA A VER E TU QUANDO VAIS AO OCULISTA?

pertinaz Há 2 semanas

BEM PODEM TRABALHAR MAIS

NINGUÉM VAI REDUZIR DÍVIDA A QUEM GOZA COM OS CREDORES

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub