Europa Europa repete "não" à renegociação da dívida portuguesa

Europa repete "não" à renegociação da dívida portuguesa

Mário Centeno disse no Parlamento que é preciso uma redução da taxa de juro. O Eurogrupo repetiu hoje que Portugal não precisa de ser tratado como a Grécia.
Europa repete "não" à renegociação da dívida portuguesa
Reuters
Eva Gaspar 07 de Novembro de 2016 às 19:21
"Não discutimos, nem vamos discutir porque Portugal é capaz de gerir a sua dívida". A resposta curta e assertiva de Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, surgiu depois de jornalistas portugueses o terem confrontado com declarações recentes de Mário Centeno que, na Assembleia da República, admitiu pela primeira vez que Portugal precisará de uma renegociação das taxas de juro associadas aos empréstimos europeus feitos ao Estado português, que acumula uma dívida superior a 130% do PIB.

"Não discutimos, nem vamos discutir porque Portugal é capaz de gerir a sua dívida. E não estamos certos que assim seja no caso da Grécia, é essa a grande diferença. Não vamos confundir" as situações, insistiu Dijsselbloem, citado pela Lusa, no final do encontro mensal dos ministros das Finanças da Zona Euro (Eurogrupo). Questionado sobre se Centeno abordou hoje a questão em Bruxelas, o presidente do Eurogrupo disse que "não, e [se o fizesse] não ajudaria muito o já difícil processo da sustentabilidade da dívida da Grécia". O responsável do Mecanismo Europeu de Estabilidade, Klaus Regling, sublinhou também as diferenças, exemplificando com os juros da dívida a 10 anos no mercado secundário, que no caso de Portugal rondam os 3,5%, enquanto para a Grécia são de 8%, apontou.

O Eurogrupo voltou nesta segunda-feira, 7 de Novembro, a abordar a possibilidade de conceder, uma vez mais, condições mais vantajosas para a Grécia reembolsar os três empréstimos já concedidos pela Europa. Mas, uma vez mais também, o entendimento em Bruxelas é o de que Portugal não precisa de ser tratado como a Grécia, cuja dívida pública ronda os 200% do PIB.

  

Já Mário Centeno, pelo menos em Lisboa, disse pensar diferente. "É necessário que Portugal tenha uma redução da taxa de juro que paga sobre o seu endividamento. Essa discussão é uma discussão que apenas pode ser tida no contexto europeu", afirmou na semana passada, aquando da discussão, na generalidade, da proposta de Orçamento do Estado para 2017. Na ocasião, o ministro disse que Governo está disposto a ter essa discussão e que tem feito por isso no plano europeu, tendo sido elogiado pelo Bloco de Esquerda.


Hoje, escreve a Lusa, o ministro escusou-se a prestar declarações aos jornalistas no final da reunião do Eurogrupo, apenas devendo fazê-lo depois da audição na qual participará na terça-feira ao final da tarde no Parlamento Europeu, em Bruxelas, no quadro do "diálogo estruturado" sobre o processo de possível suspensão de fundos a Portugal e Espanha devido ao défice excessivo.

 

Em Maio, quando o Eurogrupo confirmou a abertura para rever as condições de pagamento da dívida grega, designadamente voltar a estender os prazos de reembolso e de carência de juros (medidas que só entrarão em vigor no final do programa, em 2018, e no pressuposto de que seja implementado o acordo estabelecido com Atenas no Verão de 2015), Mário Centeno foi questionado pelos jornalistas sobre se iria aproveitar a "boleia" da Grécia, tendo então respondido que não.

 

"A última expressão que usou [renegociação] não foi o que temos referido. Temos um Programa de Estabilidade aprovado, que queremos cumprir, que vem na sequência do Orçamento do Estado para 2016. O Governo português sabe bem o rigor e a exigência que tem de pôr na sua acção. É nesse caminho que devemos trilhar", afirmou na altura.

 

Meses antes, em Fevereiro, no segundo dia de debate na generalidade do Orçamento do Estado, e depois da pressão pública do BE e do PCP nesse sentido, Centeno tinha manifestado disponibilidade do Governo para discutir a reestruturação da dívida, mas avisou que o Executivo não suscitaria esse debate e que só o faria "quando se colocar em termos europeus".



(notícia actualizada às 19h40)



A sua opinião26
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado José Pereira Há 3 semanas

Mas quem é que manda na UE e no FMi? Este plagiador de teses, não é de certeza.

comentários mais recentes
matita42 Há 3 semanas

Portugal não precisa de ser tratado como a Grécia mas está a fazer tudo para precisar de ser tratado como a Grécia. Basta continuar a trilhar este caminho.

António Dias Há 3 semanas

Eu concordo com a renegociação da dívida desde que nesse momento assinem um documento em que não vão pedir mais dinheiro emprestado durante o período em que ouve e dúvida. Só assim a renegociação terá efecto

Anónimo Há 3 semanas

Esquerdismos á parte, a verdade e que os nossos juros só säo superiores aos da Alemanha porque o nosso risco de incumprimento é maior. Mas se a propria Alemanha nos acha capazes de pagar estes juros muito superiores aos dela, porque razao recusa entao um risco partilhado nas eurobonds ??

Pedro Lopes Há 3 semanas

Temos de sustentar os chulos

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub