Conjuntura Excedente externo baixa 16% apesar de melhoria nas exportações e turismo

Excedente externo baixa 16% apesar de melhoria nas exportações e turismo

O aumento dos rendimentos de estrangeiros e a redução dos fundos europeus foi determinante para a descida do excedente externo.
Excedente externo baixa 16% apesar de melhoria nas exportações e turismo
Pedro Zenkl/Correio da Manhã
Nuno Carregueiro 21 de Dezembro de 2016 às 12:47

O saldo conjunto das balanças corrente e de capital atingiu 2.282 milhões de euros nos primeiros 10 meses deste ano, o que traduz uma descida face aos 2.707 milhões de euros registados no mesmo período do ano passado.

 

De acordo com o Banco de Portugal, que divulgou os dados da balança de pagamentos esta quarta-feira, 21 de Dezembro, a redução do excedente externo em 16% traduz a deterioração das balanças de rendimentos primário e secundário e da balança de capital.

 

A balança de rendimento primário agravou o défice em 14%, para 3.764 milhões de euros, devido sobretudo ao aumento dos rendimentos atribuídos a não residentes. O excedente da balança de rendimento secundário baixou para quase metade (616 milhões de euros).

 

Já a balança de capital baixou o excedente em 25% para 1.250 milhões de euros, o que o Banco de Portugal explica com a "redução dos fundos provenientes da União Europeia".

 

Exportações e turismo em alta

 

Todos estes efeitos negativos na balança de pagamentos portuguesa mais do que anularam as evoluções positivas registadas noutros segmentos, com destaque para as exportações e o turismo.

 

A balança de bens e serviços apurou um excedente de 4.179 milhões de euros nos primeiros 10 meses do ano, o que representa um aumento de 942 milhões de euros face ao mesmo período do ano passado.

 

Para esta evolução contribuiu a melhoria no comércio de bens com o exterior (o défice baixou para 7.052 milhões de euros), bem como nos serviços (o excedente subiu para 11.231 milhões de euros).

 

O Banco de Portugal assinala que a melhoria na balança de bens e serviços ficou a dever-se à queda das importações em 1,1% (descida de 1,5% nos bens e 0,7% nos serviços) e ao aumento das exportações em 0,5% (queda de 1% nos bens e 3,2% nos serviços).

 

Também o turismo volta a destacar-se pela positiva, com a rubrica "Viagens e turismo" a apresentar um saldo positivo de 7.763 milhões de euros, uma subida de 12% face ao mesmo período do ano passado.

Numa nota enviada à imprensa a assinalar estes números do Banco de Portugal sobre o sector do turismo, o Ministério da Economia destaca que as receitas turísticas em Portugal aumentaram 10,3% para 11 mil milhões de euros.

 

"Os dados hoje divulgados confirmam ainda que os turistas estrangeiros estão a gastar cada vez mais em Portugal. Nos dez primeiros meses de 2016 os turistas deixaram diariamente em Portugal 36 milhões de euros, o que representa mais quatro milhões de euros dos gastos diários de igual período do ano passado", refere a nota. 

 

A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, afirma que este crescimento "resulta da forte aposta realizada na captação de novas rotas aéreas e operações turísticas ao longo do ano e no aumento atractividade do destino Portugal".





A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Como é que o Governo afirma que está com uma execução dos Fundos Comunitários superior à de 2015 (PSD/CDS) e depois temos uma noticia que diz: "balança de capital baixou o excedente em 25% para 1.250 milhões de euros, o que o Banco de Portugal explica com a "redução dos fundos provenientes da UE"!?

pub