Conjuntura Forte aumento das importações atira Portugal para défice externo

Forte aumento das importações atira Portugal para défice externo

A melhoria no saldo da balança de serviços não foi suficiente para compensar o agravamento do desequilíbrio na balança de bens.
Forte aumento das importações atira Portugal para défice externo
Bruno Simão
Nuno Carregueiro 19 de julho de 2017 às 13:16

O saldo conjunto das balanças corrente e de capital foi negativo em 447 milhões de euros nos primeiros cinco meses deste ano, o que traduz um agravamento das contas externas de Portugal.

 

Nos primeiros cinco meses do ano passado o saldo também era negativo, mas de menor dimensão: 337 milhões de euros. Já nos primeiros quatro meses deste ano o saldo era positivo (823 milhões de euros), quase duplicando o registado no período homólogo.

 

Maio foi assim um mês negativo para as contas externas portuguesas, que passaram a ser deficitárias, piorando face aos meses anteriores deste ano e contra o mesmo período do ano passado.

 

A culpa é das importações, já que o agravamento do défice da balança de bens foi determinante para o comportamento conjunto do saldo conjunto das balanças corrente e de capital.

 

As importações aumentaram 16,3% nos primeiros cinco meses do ano, uma taxa de crescimento bem superior ao registado nas exportações, que cresceram 13,3%. O resultado traduz-se num agravamento do saldo da balança de bens para um valor negativo de 4.437 milhões de euros, que compara com -3.329 milhões de euros no mesmo período do ano passado.

 

Na balança de serviços o saldo continua a ser positivo e até aumentou, para 4,803 milhões de euros, mas insuficiente para compensar a quebra nos bens.  

  

"O aumento do excedente da balança de serviços observado em maio foi insuficiente para compensar o aumento do défice da balança de bens. Até Maio, a balança de bens e serviços registou um excedente de 366 milhões de euros, menos 531 milhões de euros do que no período homólogo", refere o Banco de Portugal numa nota publicada esta quarta-feira, 19 de Julho.

 

Somando bens e serviços, as exportações cresceram 13,4%, também abaixo do incremento registado nas importações (15,7%).

 

Tal como se tem verificado nos últimos meses, a contribuir para a evolução positiva da balança de serviços continua a estar a rubrica "Viagens e turismo", que aumentou para 3.070 milhões de euros, o que representa um aumento de 607 milhões de euros.

 

Também a penalizar o saldo conjunto esteve a balança de rendimento primário, que atingiu um défice de 2.299 milhões de euros, mais 186 milhões de euros do que no período homólogo "influenciado pelos dividendos pagos ao exterior em Maio".

 

A compensar, o excedente da balança de rendimento secundário aumentou 409 milhões de euros, "em resultado da variação das transferências correntes recebidas e da diminuição da contribuição financeira paga à União Europeia".

Balança de pagamentos

A balança de pagamentos regista as transacções que ocorrem num determinado período de tempo entre residentes e não residentes numa determinada economia. Essas transacções são de natureza muito diversa encontrando-se classificadas em três categorias principais:

- balança corrente, que regista a exportação e importação de bens e serviços e os pagamentos e recebimentos associados a rendimento primário (ex: juros e dividendos) e a rendimento secundário (ex: transferências correntes);

- balança de capital, que regista as transferências de capital (ex: perdão de dívida e fundos comunitários) e as transacções sobre activos não financeiros não produzidos (ex. licenças de CO2 e passes de jogadores);

- balança financeira, que engloba as transacções relacionadas com o investimento, nomeadamente investimento directo, investimento de carteira, derivados financeiros, outro investimento e activos de reserva.




Saber mais e Alertas
pub