Economia Governo exibe à Comissão Europeia o "menor défice em mais de 40 anos"

Governo exibe à Comissão Europeia o "menor défice em mais de 40 anos"

Num relatório trimestral de acompanhamento das contas públicas o Governo garante à Comissão Europeia que fechou 2016 com um défice "inequivocamente" inferior a 2,5% do PIB e que retoma continuou no quarto trimestre.
A carregar o vídeo ...
Rui Peres Jorge 18 de janeiro de 2017 às 11:25

O Governo garantiu esta semana à Comissão Europeia que fechou 2016 com um défice "inequivocamente" abaixo da meta de 2,5% do PIB e com a retoma da economia a solidificar-se no quarto trimestre do ano, o que lhe permitirá sair do Procedimento dos Défices Excessivos (PDE). Estas são conclusões do primeiro relatório de acompanhamento da execução orçamental que Portugal ficou obrigado a enviar trimestralmente a Bruxelas na sequência do agravamento do PDE decidido em Agosto pelo Conselho Europeu, e no qual sublinha também que conseguiu o menor défice orçamental em quatro décadas.

"Com base nos dados disponíveis até Novembro, as estimativas apontam para um excedente primário acima da meta de 1,9% do PIB e para um défice global inequivocamente inferior ao objectivo de 2,5% estabelecido pelo Conselho Europeu", escreve o ministério das Finanças no sumário executivo do relatório que detalha a execução para os vários subsectores em cerca de 10 páginas de tabelas, no qual acrescenta: os "resultados excederão as estimativas apresentadas pela Comissão Europeia quando o Orçamento do Estado entrou em vigor, apoiando assim as comunicações e os compromissos assumidos pelo Governo ao longo do ano".

Para o Governo, com estes dados, "a credibilidade do processo orçamental português sai reforçada", e "Portugal irá pôr termo à situação de défice excessivo em 2016" garantindo ao mesmo tempo a "convergência rumo ao Objectivo de Médio Prazo", revisto este ano ano para um saldo orçamental estrutural positivo de 0,25% do PIB. No documento, o governo mantém a sua previsão de um défice orçamental estrutural de 1,7% do PIB no ano passado. 

A análise governamental não conta com a execução orçamental de Dezembro que somará os gastos desse mês – incluindo os salários por completo do sector público – mas também boa parte da receita do perdão fiscal cuja possibilidade de adesão esteve aberta até ao final do ano, e que rendeu cerca de 540 milhões de euros em 2016, a que se juntaram mais 100 milhões de um regime especial de reavaliação de activos.

No documento, o governo defende que aplicou uma execução orçamental "rigorosa" ao longo do ano que lhe permitiu chegar ao início de Dezembro com uma almofada de cativações superior a mil milhões de euros, ou seja, mais do dobro do compromisso assumido com Bruxelas. "Até Novembro, 1028,2 milhões de euros de cativações estavam ainda congelados, bem acima dos 445 milhões de euros sinalizados pelo Governo português no Relatório de Acção Efectiva" apresentado em Outubro, lê-se no documento.

O "menor défice em mais de 40 anos", como o Governo o apresenta no relatório, resulta da gestão orçamental, mas também da recuperação da economia na segunda metade do ano, defende o ministério das Finanças, que revela ter boas perspectivas sobre os últimos três meses de 2016: "Portugal apresentou, no terceiro trimestre, o maior crescimento em cadeia na Área do Euro" e "os dados disponíveis para o quarto trimestre sugerem que a dinâmica de crescimento será mantida". "O emprego está a aumentar e o desemprego a diminuir, resultando no aumento da população activa; o investimento está a aumentar, como comprovado pelas importações de máquinas e pelo aumento, em termos homólogos, das vendas de cimento de Novembro e Dezembro", sustenta.




A sua opinião51
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Francisco Carvalho 18.01.2017

Depois da PAF baixar de 11% para 3% !!!

comentários mais recentes
Anónimo 19.01.2017

O Coelho nem a roubar fps e reformados e a vender o país aos chineses andou lá perto. Os pafs já metem dó.

Anónimo 19.01.2017


TX JURO

No verão de 2015 tínhamos uma taxa de juros a 10 anos em 1,5%, hoje temos uma taxa a 10 anos em 4%.

Ah... já sei é culpa do Passos!

Esse malvado que não faz fretes à geringonça.

Brilhante 18.01.2017

A geringonça a dar baile aqueles que diziam que tínhamos que ser pobres porque sim.

De 11% para 3%? 18.01.2017

Bom ficou nos 4,2% e a redução obtida foi feita a saquear e a vender o país aos bocados

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub