Finanças Públicas Governo pode conseguir défice abaixo da meta inicial de 2,2%

Governo pode conseguir défice abaixo da meta inicial de 2,2%

O défice em contabilidade nacional deverá baixar face ao valor em pública, e até superar a meta de 2,2% do PIB inscrita no orçamento inicial. Sem medidas extraordinárias como o perdão fiscal não deverá ultrapassar 2,8% do PIB.
Governo pode conseguir défice abaixo da meta inicial de 2,2%
Miguel Baltazar
Rui Peres Jorge 28 de janeiro de 2017 às 10:00

Números oficiais só lá para o final de Março, mas a informação disponível aponta para que o Governo possa garantir um défice orçamental abaixo dos 2,2% do PIB inscritos por Mário Centeno no Orçamento do Estado inicial para 2016. Sem a ajuda de medidas extraordinárias como o perdão fiscal o desequilíbrio das contas públicas não deverá ultrapassar os 2,8% do PIB.

Um aperto na despesa corrente, um encaixe significativo de uma medida extraordinária, e uma forte contenção das despesas de investimento são já quase uma tradição de final de ano. O ano passado não foi diferente e permitiu ao Governo compensar as reposições de salários no Estado e fechar 2016 com um défice em contabilidade pública (ou seja, numa lógica de caixa) de 4.255,7 milhões de euros, o que equivale a cerca de 2,3% do PIB.

Este não é, no entanto, o valor relevante para Bruxelas, que adopta uma óptica de compromissos assumidos e não de receitas e despesas efectivamente concretizadas. A chamada "Contabilidade Nacional" tem ainda outras especificidades que implicam ajustamentos para garantir que receitas e despesas associadas a fundos comunitários são neutras para o défice de cada ano, ou que as receitas de impostos indirectos nos dois primeiros meses do ano são imputadas ao ano anterior.

As últimas estimativas do Governo para este ajustamento entre ópticas apontavam para um resultado significativamente melhor em contabilidade nacional (uma diferença de quase mil milhões de euros). Ao que o Negócios conseguiu apurar a partir da informação disponível, da apreciação de especialistas em contas públicas, e de cálculos próprios, a ajuda será menor, mas ainda assim positivo.

Até ao terceiro trimestre o contributo da contabilidade nacional para o défice foi negativo (em quase 300 milhões de euros), mas há várias ajudas já conhecidas que afectarão o défice em sentido contrário, por exemplo 264 milhões de euros de juros do Mecanismo Europeu de Estabilidade, a venda de material militar (F-16) que poderá rondar os 90 milhões de euros, e outros ajustamentos associados a juros e a receitas de impostos que ajudarão as contas. Contas feitas, o défice poderá até ser inferior aos 2,2% inscritos inicialmente no Orçamento do Estado para este ano.
 
Os valores exactos da passagem de contabilidade pública a nacional carecem ainda de informação da execução orçamental de Janeiro e Fevereiro e são depois produzidos pelo INE, que é a autoridade estatística nacional para o efeito, e que os enviará oficialmente a Bruxelas no final de Março.

Será a partir desses dados que se calculará outro indicador orçamental relevante: o défice sem medidas extraordinárias. Antecipar um valor para este indicador é ainda mais difícil visto que, por um lado, o conceito de medidas extraordinária não é partilhado por todas as organizações e, por outro, duas das receitas extraordinárias ou não repetíveis promovidas pelo Governo (o perdão fiscal e a reavaliação de activos)  têm características que poderão permitir que, pelo menos em parte, não sejam classificadas como extraordinárias.

Assim, no pior cenário, teremos medidas extraordinárias de perto de 1000 milhões de euros, ou 0,6% do PIB. Já no cenário mais favorável este montante poderá baixar para 700 milhões de euros, ou 0,4% do PIB. Parece assim provável que este défice não ultrapasse os 2,8% do PIB.




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado SÍTIO MUITO MANHOSO Há 3 semanas

MAIS UMA VEZ O DIABO NÃO CHEGA E O GATUNO DE REFORMADOS E DE QUEM TRABALHA NÃO TEM O PRAZER DE GOZAR A MISÉRIA COM QUE SONHA FREQUENTEMENTE !

... POR ESTE ANDAR VAI TER UM ENFARTE OU COMEÇAR A INSULTAR O ... DIABO !

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

E com as despesas extraordinárias como a devolução do IRS em 2016 do que deveria ser devolvido em 2015 qual seria o défice?

Rui Esteves Há 3 semanas

Este é o resultado que a dona Maria Luiz Albuquerque jurava ser impossível de concretizar. Diferença: Mário Centeno licenciou-se na Universidade de Lisboa e é doutorado por Harvard; a dona Maria Luiz nunca saiu das universidades de segunda ou terceira escolha

Mas os geringonças Há 3 semanas

Andam a lançar foguetes e a apanhar as canas por baixarem o défice 0,5 décimas??? Com o governo de Passos teríamos um défice de 1,8... Que nulidades!... Que fraude de "governo" pensam que o povo é estúpido?

A factura vai chegar e com juros a pagar! Há 3 semanas

Fodidos e enrabados vão ficar os Portugueses quando a factura do tóino chegar! Portugal é só o País com a Quinta Maior Dívida do Mundo! Parece que os Papalvos dos Tugas nem sabem desse endividamento brutal!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub