Economia Inflação estabiliza nos 1,3% em Julho

Inflação estabiliza nos 1,3% em Julho

A subida de preços no consumidor estabilizou, o que diminui a pressão sobre o BCE, que já tinha dito que não há sinais de recuperação sustentada da inflação.
Inflação estabiliza nos 1,3% em Julho
Sara Antunes 31 de julho de 2017 às 10:04
A taxa de inflação manteve-se em 1,3%, no mês de Julho, tal como o valor registado um mês antes, revelou esta segunda-feira, 31 de Julho, o Eurostat.

Por segmentos, a energia será a que terá a taxa mais elevada (2,2%), registando uma subida face ao mês anterior.

Esta evolução corrobora a perspectiva do Banco Central Europeu (BCE) que no dia 20 de Julho deixou inalterados juros e os estímulos à economia, nomeadamente o programa de compra de dívida, considerando que não há sinais de subida sustentada da inflação. 

No final da reunião de Julho, o presidente da autoridade, Mario Draghi, disse que o BCE não vê qualquer sinal convincente recuperação sustentada da inflação que justifique uma alteração dos actuais estímulos monetários. 

Assim, a política monetária foi mantida e o presidente do BCE garantiu que nem as equipas técnicas estão sequer a trabalhar em hipóteses para uma possível estratégia de saída, avançou Mario Draghi, na qual retirou também pressão em relação à possibilidade de surgirem novidades em Setembro, quando são divulgadas novas previsões macroeconómicas. O compromisso ficou-se apenas por debater o tema no Outono. 


(Notícia actualizada às 10:21 com mais informação)



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 31.07.2017

Ou seja, todos os depósitos a prazo dão prejuízo face à inflacção.
Ou seja, num depósito a prazo os únicos que ganham são os Bancos e o Estado que mesmo com taxas de juro miseráveis não abdica da taxa de 28% sobre a miséria alheia.

comentários mais recentes
Anónimo 31.07.2017

Ou seja, todos os depósitos a prazo dão prejuízo face à inflacção.
Ou seja, num depósito a prazo os únicos que ganham são os Bancos e o Estado que mesmo com taxas de juro miseráveis não abdica da taxa de 28% sobre a miséria alheia.

pub