Conjuntura Inflação na Zona Euro foi de 0,6% em Novembro

Inflação na Zona Euro foi de 0,6% em Novembro

Os preços na Zona Euro subiram no mês de Novembro 0,6%, o valor mais elevado desde Abril de 2014. E em antecipação à reunião do BCE que decorre na próxima semana.
Inflação na Zona Euro foi de 0,6% em Novembro
Bruno Simão
Negócios 30 de Novembro de 2016 às 10:14

Os preços ao consumidor na zona euro deverão ter subido 0,6% em Novembro, acima dos 0,5% que evoluíram em Outubro.

Na primeira estimativa do Eurostat para a inflação de Novembro, os dados apontam para o nível mais elevado desde Abril de 2014.

Foram os serviços que tiveram a taxa mais elevada, nos 1,1%, estável em relação a Outubro. Na alimentação, álcool e tabaco os preços subiram 0,7% o que compara com os 0,4% de Outubro. Foram, aliás, estes produtos que permitiram a subida da inflação para os valores de 0,6% em Novembro.

Nos bens industriais não ligados à energia, a subida de preços estabilizou nos 0,3% de Outubro.

Os preços na energia voltaram a descer acima de 1%. Caíram em Novembro 1,1%, face à queda registada em Outubro de 0,9%. Assim, sem os preços da energia a inflação ter-se-ia situado nos 0,8%. 

As projecções mais recentes do BCE para a taxa de inflação para este ano é de 0,2%, devido aos preços da energia, esperando que suba para 1,2% em 2017 e 1,6% em 2018. O objectivo do banco central europeu de chegar a uma inflação na Zona Euro de cerca de 2% está ainda longe.

Este indicador de Novembro é revelado a uma semana da reunião do BCE, que decorrerá a 8 de Dezembro. A Capital Economics já referiu, numa nota de análise à inflação, que esta subida de Novembro não deverá deter o BCE de anunciar mais estímulos económicos, acrescentando mesmo que espera nessa reunião que Mario Draghi anuncie uma extensão do programa de compra de activos de 80 mil milhões de euros por mês por mais seis meses. O programa deveria terminar em Março. 

A subida da inflação de 0,5% em Outubro para 0,6% em Novembro está em linha com as estimativas dos analistas. Os dados finais serão divulgados pelo Eurostat a 16 de Dezembro.




(Notícia actualizada às 10:35 com mais informação)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


PS - PCP - BE - FP - CGA - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


As pensões da CGA são SUBSIDIADAS em 500€, 1000€, 1500€ e mais, POR MÊS.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.


comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ESTRAGAM A VIDA A 9 MILHÕES DE PORTUGUESES

Para dar mais dinheiro e privilégios a 1 milhão de FP / CGA.


Anónimo Há 1 semana


PS - PCP - BE - FP - CGA - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


As pensões da CGA são SUBSIDIADAS em 500€, 1000€, 1500€ e mais, POR MÊS.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.


pub