Política Jerónimo de Sousa reitera necessidade de renegociar a dívida portuguesa

Jerónimo de Sousa reitera necessidade de renegociar a dívida portuguesa

O secretário-geral do PCP reeleito insistiu hoje na necessidade de Portugal renegociar a dívida e libertar-se da "teia" do euro para poder crescer economicamente, no encerramento do XX Congresso comunista, em Almada.
Jerónimo de Sousa reitera necessidade de renegociar a dívida portuguesa
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 04 de Dezembro de 2016 às 14:25

"É uma luta e convergência em torno de uma política concreta. Reafirmamos, em síntese, o conteúdo da política patriótica e de esquerda: libertar Portugal da teia de submissão, dependência e constrangimentos impostos pelo euro, renegociar a dívida e recuperar para o país o que é do país", afirmou Jerónimo de Sousa, no Complexo Desportivo Municipal "Cidade de Almada".

 

O líder comunista, com renovado mandato presumivelmente até 2020, referia-se à proteção de "recursos, setores estratégicos", bem como "ao direito inalienável ao desenvolvimento e criação de emprego", incluídos na "política patriótica e de esquerda" preconizada pelo PCP.

 

"Pôr Portugal a produzir, com mais agricultura, mais pescas, mais indústria, apoiando pequenos e médios empresários, valorizando trabalhadores e salários, com direito à saúde, educação, cultura e proteção social", foram outros argumentos apresentados à plateia de cerca de 3.500 apoiantes, com bandeiras do PCP e de Portugal.

 

Jerónimo de Sousa salientou "algumas das prioridades da intervenção próxima" do seu partido - "aumento dos salários e fixação do Salário Mínimo Nacional em 600 euros, em Janeiro próximo; a alteração de aspetos gravosos da legislação laboral, com revogação da caducidade da contratação colectiva; o combate à precariedade e aplicação do princípio de que a um posto de trabalho permanente deve corresponder um vínculo efectivo", ao mesmo tempo que defendeu Serviço Nacional de Saúde, escola e transportes públicos e a cultura.

 

"É inaceitável que nos queiram atirar enquanto povo e nação para o gueto do empobrecimento, dependência e negação dos direitos de Portugal ao seu desenvolvimento soberano. Inaceitável que todos os anos sejam retirados mais de oito mil milhões de euros aos recursos públicos só para pagamento de juros da dívida para manter o privilégio e, no final de cada ano, a dívida se encontrar exatamente na mesma", lamentou.

 Líder comunista mantém "sonho" de "assumir todas as responsabilidades"

 

Jerónimo de Sousa, numa intervenção de 15 minutos, ao terceiro e último dia de trabalhos em Almada, avisou do "futuro incerto" do mundo e da Europa, somado "à contradição" dos constrangimentos e imposições externos", sentidos devido às opções do Governo PS, mas manteve a plateia de cerca de 3.500 apoiantes desperta para o "fascinante projecto" de uma "sociedade liberta da exploração do homem pelo homem".

"Um momento para afirmar e valorizar a CDU (Coligação Democrática Unitária, com "Os Verdes") e fazer prova da reconhecida capacidade de gestão e entrega aos interesses das populações e resposta aos seus problemas, afirmando o PCP e a CDU como forças capazes de assumir todas as responsabilidades que os trabalhadores e povo lhes queiram atribuir", definiu sobre as próximas eleições locais, no outono de 2017.

Para o secretário-geral comunista será "um momento para progredir e avançar, confirmar maiorias e conquistar novas posições e mandatos", ou seja, uma "importante batalha política" para "pesar mais na vida política nacional".

"Este partido não regateará nenhum esforço ou tarefa que visem defender e conquistar direitos e melhorar as condições de vida dos trabalhadores e do povo, sempre com os olhos postos na linha do horizonte, no objetivo supremo que anima e justifica a nossa razão de ser - uma sociedade liberta da exploração do homem pelo homem", garantiu.

Entre os alertas, Jerónimo de Sousa referiu-se ao "futuro incerto, perante a crise do capitalismo e a resposta imperialista, agressiva e de guerra" e a "crise na e da União Europeia, que vai empurrando os problemas com a barriga", assim como a "incerteza no plano nacional, face à contradição que os constrangimentos e imposições externos colocam a novos avanços sociais".

"Quem, se não este partido, que nunca teve uma vida fácil, temperado em tantas e tantas lutas, pode afirmar a sua confiança nos trabalhadores, no povo e na pátria portuguesa?", indagou.

Com mandato renovado, previsivelmente até à próxima reunião magna ordinária dentro de quatro anos, embora o Comité Central tenha a todo o momento o poder de designar outro secretário-geral, Jerónimo de Sousa concluiu o discurso esperançoso.

"A concretização do fascinante projeto por que lutamos, esse sonho milenar... possivelmente, só será materializado para além das nossas vidas, mas este é o nosso tempo, de fazer, agir, lutar, por este ideal. Torná-lo mais próximo e possível é uma tarefa exaltante dos militantes comunistas", congratulou-se, levantando mais uma vez dirigentes, delegados, militantes e simpatizantes antes de ecoar no Complexo Desportivo Municipal "Cidade de Almada" os emotivos "Avante, camarada!", "A Internacional" e "A Portugesa".

Depois, como é habitual, foi tempo de todos colaborarem na recolha de mesas, cadeiras e outros materiais e som e imagem, assim como as bandeiras do PCP e de Portugal e os cartazes, tarjas e pano cénico de um congresso dedicado ao lema: "Com os trabalhadores e o povo, democracia e socialismo".




A sua opinião25
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

Ó sua besta quadrada, você não sabe do que fala. E se não sabe, cale-se.

Trabalhei mais de 52 anos e o fundo de pensões que é suposto pagar-me 80 a 90% da pensão tem como aplicações, em grande parte, dívida pública portuguesa.

Se o fundo de pensões estoira, fico sem pensão de reforma.

Afinal, seu hipócrita talibã fundamentalista social-fascista, que povo, que trabalhadores é que defende?



comentários mais recentes
Vitor De Sá Franco Há 2 semanas

É ideia é boa mas vai-se negociar a dívida com quem ?? E com as pessoas ,cidadãos deste país que andam a aplicar as suas economias na compra de obrigações do estado também se vai negociar ou ficam sem o dinheiro que estão a emprestar ao estado na compra de obrigações da Dívida?

Anónimo Há 2 semanas

E espantoso observar que estes comunas ainda tem uma audiência

Anónimo Há 2 semanas

Ha manobras que nos deixam os olhos em bico:o velhaco jeronimo rejuvenescido num partida ainda mais velhaco pede a saida da EU,os familiares gregos nem querem ouvir falar nisso,havera uma maneira de compreender esta contradicao de ambos?

Ão,ão Há 2 semanas

O PCP é o único partido q tem governado Portugal desde o 25 A exceto desde há 1 ano que estão fora a ajudar o PS. Parece paradoxo mas não é ,basta ver q os grevistas profissionais estão agora no desemprego e qd estavam no activo eram eles que impunham as medidas à governação ,ou seja,governavam!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub