Economia João Vieira Lopes: "Se o Parlamento não respeita acordos para que existe a concertação?"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

João Vieira Lopes: "Se o Parlamento não respeita acordos para que existe a concertação?"

O Governo não garantiu a viabilização da redução da TSU no Parlamento, mas as principais críticas de João Vieira Lopes dirigem-se a Passos Coelho. “Tacticismos políticos de conjuntura” podem pôr em causa o papel histórico da concertação social.
João Vieira Lopes: "Se o Parlamento não respeita acordos para que existe a concertação?"

O aumento do desconto na taxa social única foi proposto pelo Governo e não pelos patrões. E a hipótese de um chumbo no Parlamento nunca foi seriamente equacionada, até porque nunca uma maioria de deputados tinha posto

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado alberto9 23.01.2017

A concertação social pode existir, o que não pode é ser proposto medidas inconstitucionais e sem acordo parlamentar

comentários mais recentes
NMSousa 23.01.2017

A função do CES é exercida em matéria de política económica e social e estão fora do seu âmbito as questões fiscais que não são privativas dos interesses representados neste órgão.
É na AR que, através dos mecanismos da democracia, estão representados todos os interesses de todos os cidadãos.
A intervenção da AR é útil e certeira; o SMN é um tema das entidades empregadoras e dos representantes dos trabalhadores e o custo que acarreta não tem que ser distribuído por todos os contribuintes.
Neste caso não está em caso a inutilidade do CES mas o abuso de competência.

alberto9 23.01.2017

A concertação social pode existir, o que não pode é ser proposto medidas inconstitucionais e sem acordo parlamentar

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub