União Europeia Londres admite impor imposto para trabalhadores qualificados de outros países europeus

Londres admite impor imposto para trabalhadores qualificados de outros países europeus

O Reino Unido admite introduzir um imposto por cada trabalhador qualificado recrutado pelas empresas britânicas após o Brexit. O governo acredita que “seria útil para os trabalhadores britânicos que sentem que são negligenciados”.
Londres admite impor imposto para trabalhadores qualificados de outros países europeus
Ana Laranjeiro 11 de janeiro de 2017 às 18:51

O Governo britânico está a considerar seriamente estabelecer um imposto no valor de mil libras (mais de 1.148 euros no câmbio actual) anualmente por cada trabalhador qualificado da União Europeia (UE) que seja recrutado por empresas britânicas após a saída do Reino Unido do bloco europeu, de acordo com o The Guardian, que cita o ministro da imigração.

O ministro do Interior, Robert Goodwill, disse aos seus pares que "um imposto sobre as qualificações dos imigrantes" pode ser introduzido para os migrantes da UE e seria "útil para os trabalhadores [britânicos] que sentem que são negligenciados" em favor dos migrantes.

O ministro com a pasta da Imigração disse também aos seus pares que o resultado do referendo (em que os partidários da saída do país do bloco europeu venceram) mostra que para os eleitores britânicos não foi feito o suficiente para assegurar que as "qualificações estão disponíveis para as nossas pessoas" e que as empresas têm confiado muito nos imigrantes.

O jornal inglês escreve ainda que o ministro com a pasta da Imigração deu a indicação que um regime para trabalhadores agrícolas pode ser introduzido após o Brexit. No âmbito deste regime, milhares de pessoas poderiam trabalhar no Reino Unido em funções que exigem poucas competências durante um período inferior a seis meses.

Goodwill adiantou também que um imposto sobre a aprendizagem (apprenticeship levy) vai ser introduzido este ano para dar início ao objectivo do Governo de treinar mais de três milhões de pessoas antes das eleições de 2020.

"Em Abril deste ano vamos introduzir a cobrança pelas competências dos imigrantes a trabalhadores qualificados que não pertençam ao Espaço Económico Europeu. Se quiser recrutar um programador indiano no âmbito de um contrato de quatro anos, além dos encargos com o visto e com o teste para acesso ao mercado de trabalho [resident labour market test] vai haver uma taxa de mil libras por ano", afirmou.

No Reino Unido é preciso uma licença para empregar alguém que não pertença ao Espaço Económico Europeu nem à Suíça.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
beachboy Há 1 semana

...lol...
...não vai ser preciso...
...as empresas vão sair de Inglaterra...
...ainda vão chorar por os ver partir...

nb Há 1 semana

Só se fossem doidos varridos, para fazer uma coisa dessas! Mão de obra qualificada, que não custou um tostão ao estado Inglês, ser taxada? Se as empresas a buscam fora, é porque não a encontram dentro. Claro como água!

Anónimo Há 1 semana

Já foi desmentido. Podem tirar a "notícia".

pub
pub
pub
pub