União Europeia Londres e Bruxelas já terão acordado valor da factura do Brexit

Londres e Bruxelas já terão acordado valor da factura do Brexit

O Telegraph avança que os negociadores do Reino Unido e da UE responsáveis já terão chegado a acordo sobre o valor que Londres terá de pagar para abandonar o bloco europeu. Havendo ou não acordo, há outros dois temas a travar o desbloqueio negocial.
Londres e Bruxelas já terão acordado valor da factura do Brexit
Neil Hall/Reuters
David Santiago 28 de novembro de 2017 às 19:05

Ao fim de várias rondas negociais que não permitiram avanços concretos nas conversações com vista à saída britânica da União Europeia, os negociadores de ambos os lados terão finalmente chegado a acordo sobre o valor da factura que Londres terá de pagar para sair do bloco europeu.

 

De acordo com a notícia do Telegraph, que cita fontes não identificadas britânicas e europeias, Londres e Bruxelas terão acordado o valor da factura do Brexit, que deverá fixar-se entre 45 e 55 mil milhões de euros, ou seja, abaixo dos 60 mil milhões de euros exigidos pela UE. No entanto, o valor final dependerá da forma como cada um dos lados calculará o resultado da metodologia escolhida.

 

As fontes referenciadas pelo Telegraph falam em acordo de princípio entre as duas equipas responsáveis pela condução das negociações, adiantando que os termos foram definidos na semana passada.

 

No entanto, o Telegraph lembra que este não é ainda um acordo final. No mesmo sentido, a agência Reuters adianta que um elemento do governo do Reino Unido já avisou que não reconhece a notícia avançada pelo Telegraph.

 

A confirmar-se este entendimento, o mesmo permite antecipar com maior optimismo o encontro da próxima segunda-feira entre a primeira-ministra britânica, Theresa May, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Seria também um sinal favorável perante o aproximar da cimeira europeia de 14 e 15 de Dezembro, encontro em que os líderes europeus pretendem ter a questão relativa à factura do divórcio resolvida por forma a avançar para a discussão sobre a futura relação comercial entre os dois blocos depois de concretizado o Brexit. 

No final da sexta ronda de negociações, que terminou, uma vez mais, sem avanços, Bruxelas deu duas semanas a Londres para clarificar a posição relativamente ao valor que está disposta a pagar para sair da UE, isto depois de o Financial Times ter noticiado que Theresa May estaria disposta a reforçar a oferta de 20 mil milhões de euros que os britânicos haviam colocado em cima da mesa, montante aquele que dizia respeito à soma prevista para a contribuição britânica para o orçamento comunitário em vigor. Entretanto, esse prazo já foi ultrapassado.

Além do impasse acerca do valor a pagar por Londres para sair da União, há dois outros temas que têm impedido passar à chamada "fase dois" das negociações. Os direitos dos europeus a residir em solo britânico, designadamente a questão relacionada com a reunião familiar, e as regras que irão enquadrar a gestão fronteiriça entre as duas Irlandas - a República da Irlanda continuará a pertencer à UE enquanto a Irlanda do Norte abandona o bloco europeu - são os outros dois obstáculos na conversações em torno do Brexit. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub