Saúde Maioria dos hospitais portugueses cumpre critérios de excelência clínica

Maioria dos hospitais portugueses cumpre critérios de excelência clínica

O sistema de avaliação de hospitais da Entidade Reguladora da Saúde indica que das 160 unidades hospitalares abrangidas, 79% cumprem os critérios de qualidade para a atribuição do título de Excelência Clínica.
Maioria dos hospitais portugueses cumpre critérios de excelência clínica
Bruno Simões 23 de maio de 2017 às 11:52

O Sistema Nacional de Avaliação em Saúde (SINAS), da responsabilidade da Entidade Reguladora da Saúde (ERS), registou um aumento do número de hospitais que apresentam Excelência Clínica. Segundo a ERS, dos 160 hospitais abrangidos pelo Sistema Nacional de Avaliação em Saúde (SINAS), que correspondem a "praticamente todo o universo" hospitalar português, 126 (ou 79%) obtiveram "classificação na dimensão da Excelência Clínica".

 

A distinção de Excelência Clínica é atribuída às unidades quem cumprem "com todos os parâmetros de qualidade exigidos", isto é, os critérios "considerados essenciais para a prestação de cuidados de saúde com qualidade". Esse é o primeiro nível de classificação do SINAS. Quem o obtém pode depois aceder a um segundo nível de avaliação, que atribui uma, duas ou três estrelas a cada uma das áreas de avaliação, conforme a qualidade da prestação do serviço.

 

Nesse universo de 126 hospitais com Excelência Clínica, 112 hospitais conseguiram a atribuição da estrela correspondente ao primeiro nível de avaliação, de acordo com um comunicado enviado esta manhã às redacções. Estes resultados são relativos a "episódios de internamento com alta entre 1 de Julho de 2015 a 30 de Junho de 2016" e são baseados "em informação fornecida" pelos hospitais que depois é alvo de "auditorias periódicas e aleatórias" em que a ERS valida a informação.

 

É possível consultar a classificação de cada hospital nas diferentes categorias.

 

De acordo com a ERS, "estes resultados evidenciam uma melhoria nos valores médios dos indicadores avaliados, a que corresponde uma melhoria do cumprimento de alguns dos indicadores de processo associados a diferentes áreas cirúrgicas (Ginecologia, Cirurgia do Cólon e Cirurgia Vascular), nomeadamente nos relacionados com a selecção, administração e interrupção da antibioterapia profiláctica".

 

Também há uma "melhoria dos valores médios de alguns indicadores de processo específicos das áreas de Pediatria, Neurologia [relativos ao Acidente Vascular Cerebral], Cirurgia de Ambulatório, Cardiologia [referente ao Enfarte Agudo do Miocárdio], Unidade de Cuidados Intensivos e Cuidados Transversais [Avaliação da Dor Aguda e Tromboembolismo Venoso no Internamento]".

Adicionalmente, "em algumas áreas, o aumento gradual do desempenho médio em indicadores de processo vem-se verificando há vários anos, registando-se patamares de cumprimento entre os 90% e os 100%".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
RioSado 23.05.2017

Só podem estar mesmo a brincar com os pacientes!... simplesmente vergonhosa esta avaliação. Só pode mesmo ser boa para quem não precisa dos hospitais... não tenho caracteres suficientes neste espaço para poder descrever uma ínfima parte das falhas hospitalares! VERGONHA!

pub