Europa Martin Schulz formaliza demissão do SPD com efeitos imediatos

Martin Schulz formaliza demissão do SPD com efeitos imediatos

O líder dos social-democratas saiu de funções com efeitos imediatos, antes de decisão sobre coligação do partido com a CDU de Angela Merkel. A sucessão, em que Schulz aponta para a líder parlamentar Andrea Nahles, deverá ser decidida em Abril.
Martin Schulz formaliza demissão do SPD com efeitos imediatos
EPA
Diogo Cavaleiro 13 de fevereiro de 2018 às 18:38

Martin Schulz demitiu-se da liderança do SPD, o partido germânico social-democrata. A saída, anunciada esta terça-feira, tem efeitos imediatos. E acontece quando há negociações para a formação de uma coligação com a CDU de Angela Merkel.

 

A demissão tem lugar quando ainda há conversações para a coligação entre os sociais-democratas e a CDU e a distribuição de lugares de ministros. Schulz saíria do partido para ser o ministro dos Negócios Estrangeiros do Governo chefiado por Angela Merkel, algo que tinha dito, antes das eleições do ano passado, que não estaria disponível para fazer.

A aceitação de um cargo no Governo de Merkel desencadeou controvérsia no partido, o que acabou por retirar o já fragilizado Schulz da liderança do partido e ao que tudo indica, também, do Executivo. O SPD está profundamente dividido entre os apoiantes e opositores de uma grande coligação, além de enfrentar perda de popularidade nas sondagens.

Decorre, até ao início de Março, um referendo interno para saber se haverá apoio partidário à solução. O que coloca a Alemanha em suspenso - não houve acordo da CDU, vencedora nas eleições, com a esquerda, e o entendimento para uma grande coligação com o SPD continua por encontrar.

A saída de Martin Schulz do partido acaba por dificultar o processo de decisão, já que só em Abril haverá nova liderança. Schulz, que saíra da presidência do Parlamento Europeu para concorrer contra Merkel nas eleições alemãs, já apontou para a sua sucessão: a líder parlamentar Andrea Nahles. Contudo, como especifica a Reuters, ainda é necessária a formalização da sua nomeação. A votação final deverá ser tomada no congresso extraordinário do partido a 22 de Abril.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
jose Há 1 semana

Se não fosse o Sr. Draghi a criar dinheiro fácil, a Europa já tinha acabado!

General Ciresp Há 1 semana

Se amanha a casalinho MANCAR e por causa do Martin Schulz.Na Holanda o ministro dos negocios estrangeiros parece q andou a meter os pes pelas maos,ao ser confrontado por tal nao resistiu e foi-se.O mes de Fevereiro e pequeno mas esta a fazer ver aos grandes.

General Ciresp Há 1 semana

Se Alemanha for empurrada para novas eleicoes desaparece o Martn Schulz q ja e do nosso conhecimento,desaparece o spd e ate a Sra.Angel Merkel corre esse risco.Se nao forem capazes de ultrapassar este impasse,ainda vamos ter surpresas de surpreender.Creio q a inquietacao de rua vai afastar os usuais

General Ciresp Há 1 semana

Quem tem acompanhado a Alemanha depois das eleicoes nao ve isto como grande surpresa.A Sra. Angel Merkel perdeu poder para em certa medida os da direita conservadora devido a ter sido generosa demais.Se o spd arrebata os ministerios mais senciveis dum governo pode contar com grande contestacao de ru

ver mais comentários
pub