Economia Ministro da Agricultura defende que "é necessário agir muito" sobre criminosos

Ministro da Agricultura defende que "é necessário agir muito" sobre criminosos

No âmbito de uma reunião de ministros da Agricultura da União Europeia, Capoulas Santos mostrou indignação com a "multiplicidade inusitada de incêndios" que ocorreram em Portugal, no fim-de-semana, afirmando que "é necessário agir muito sobre a componente criminal".
Ministro da Agricultura defende que "é necessário agir muito" sobre criminosos
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 09 de outubro de 2017 às 13:50
O ministro da Agricultura lamentou esta segunda-feira, 9 de Outubro, a "multiplicidade inusitada de incêndios" em Portugal no último fim de semana e comentou que "é necessário agir muito sobre a componente criminal", pois senão de nada serve o sistema de ordenamento.

Ressalvando por diversas vezes que os meios de combate aos incêndios não são uma matéria da competência do seu Ministério, Luís Capoulas Santos, que participa, no Luxemburgo, numa reunião de ministros da Agricultura da União Europeia (UE), observou que, mesmo apesar do contexto pouco habitual de "temperaturas de 35 graus em pleno mês de Outubro", haverá certamente mão criminosa na origem de muitos fogos.

"Tive oportunidade de ver na comunicação social uma multiplicidade inusitada de incêndios e, ao que parece, uma boa parte deles deflagrados durante a madrugada, que é precisamente quando não podem ser combatidos e quando dão a garantia de que só várias horas depois, com o amanhecer, é que não podem ser combatidos", apontou.

Para Capoulas Santos, há que "responder às alterações climáticas, se é disso que se trata", mas também encontrar uma resposta mais eficaz para "a componente criminal" dos incêndios.

"Se se autuam e são punidos condutores que vão em excesso de velocidade, temos que encontrar, por mais difícil que seja detectar e identificar, responsáveis", defendeu, considerando que, "apesar das mais de 130 detenções que já foram efectuadas este ano", é "necessário agir muito sobre a componente criminal, porque se esta não for eliminada, pode haver o melhor sistema de ordenamento, pode haver o melhor sistema de combate, mas obviamente o crime exige também uma resposta".



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 09.10.2017

Parece que só agora os governantes estão a acordar.
Temos uma quantidade muito significativa da população rural com sérios problemas mentais. Se isto não é atacado de frente, bem podemos dizer adeus a mais vidas humanas, bens e floresta.

comentários mais recentes
JCG 09.10.2017

Mas este fulano não é ministro? Já pela 2ª vez? o tipo não vai a conselhos de ministros? não fala com os outros?
É que eu acho piada a estes gajos; onde devem defender é no sítios certos, dado que são eles que estão no poder. Eu é que não tenho poder nenhum nem faço parte de nada e apenas posso mandar os meus palpites aqui ou ali. Agora de ministros espera-se que decidam e tomem medidas concretas; não que façam desabafos em jornais.

Anónimo 09.10.2017

a começar nos plantadores de eucaliptos e nos madeireiros que ganham nos dois lados: plantar e
cortar. Os parvos dos donos dos terrenos acabam por ficar a cheirar o fumo...

Anónimo 09.10.2017

O problema está na justiça que não aplica as penas em conformidade! dai o "aviso e alerta" do ministro.

Anónimo 09.10.2017

Parece que só agora os governantes estão a acordar.
Temos uma quantidade muito significativa da população rural com sérios problemas mentais. Se isto não é atacado de frente, bem podemos dizer adeus a mais vidas humanas, bens e floresta.

ver mais comentários