Cultura Notícias da morte da rádio FM foram muito exageradas

Notícias da morte da rádio FM foram muito exageradas

A Noruega desligou esta semana a sua rede de rádio FM, mas outros países abandonaram planos semelhantes, e o país escandinavo tornou-se um farol solitário das transmissões exclusivamente digitais num mundo que está a avançar rapidamente para o “streaming” de música e “podcasts”.
Notícias da morte da rádio FM foram muito exageradas
Bloomberg
Bloomberg 14 de janeiro de 2017 às 18:00

A mudança para a transmissão digital de áudio, uma medida inédita no mundo, será acompanhada de perto por outros países europeus, que estão a começar a questionar os benefícios de desactivar as redes analógicas. O sucesso da iniciativa norueguesa pode ser a última esperança para que entusiastas e comerciantes de produtos electrónicos reanimem os planos de rádio digital que, na sua maioria, foram interrompidos no restante do mundo.

 

"A Noruega é uma referência e uma líder em tecnologia", disse Ford Ennals, CEO da Digital Radio UK, em entrevista por telefone. "No Reino Unido, sem dúvida somos mais cautelosos. Queremos que os ouvintes estejam na liderança. Não queremos obrigar todos a fazer isso."

 

Os planos da Noruega de substituir a FM estão vigentes há anos e surgiram com as primeiras transmissões digitais do país, em 1995. Essa tecnologia oferece um som melhor que a FM analógica, é mais fácil de sintonizar e mais acessível para as emissoras porque aproveita melhor o espectro. Mas, de lá para cá, outra tecnologia surgiu: a rádio por internet e o streaming de música de empresas como Spotify e Apple, e Pandora Media nos EUA.

 

É improvável que essa tendência se inverta. É comum que os automóveis novos estejam equipados com painéis que se conectam à internet e a smartphones através de serviços como Android Auto e Apple Carplay. Segundo os últimos dados conhecidos, o Spotify tinha 40 milhões de ustilizadores pagantes em todo o mundo, e a Apple Music, 20 milhões. Há dezenas de outros serviços - o streaming possibilita que os clientes criem as suas próprias listas de música e eles podem pagar para fugir da publicidade. Estações de rádio tradicionais também passaram a fazer transmissões pela internet.

 

A Noruega está a começar a reduzir gradualmente os sinais FM em Bodø, ao norte do Círculo Polar Ártico, e o restante do país seguirá esse caminho ao longo de 2017. A capital, Oslo, será afectada no dia 20 de Setembro, embora muitas estações de rádio locais terão autorização para continuar a transmitir na sintonia FM nos próximos cinco anos.

 

Para um país escassamente povoado como este, manter a FM não é uma opção, disse Ole Jørgen Torvmark, CEO da Digital Radio Norway. Na Noruega, 74% da população tem um ou mais rádios DAB (radiodifusão sonora digital), disse.

 

"Um pré-requisito para investir numa nova rede digital e em novos canais era o encerramento da rede FM", disse Torvmark. "Não estaríamos aqui hoje com uma rede e com canais se não tivéssemos um prazo para o fecho do sinal."




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub