Eleições Moreira vence no Porto com maioria absoluta

Moreira vence no Porto com maioria absoluta

O movimento independente elege o sétimo vereador, que permite governar o Porto sem depender de acordos no Executivo. Pizarro também reforça à custa da hecatombe do PSD e Bloco falha por pouco a eleição de Teixeira Lopes.
Moreira vence no Porto com maioria absoluta
Gabriel Fontes Tavares
António Larguesa 02 de outubro de 2017 às 01:23

É oficial. Rui Moreira vai passar a governar a cidade do Porto com maioria absoluta, podendo assim dispensar acordos com as outras forças políticas representadas no Executivo camarário. Fechadas as contas, o movimento independente que lidera obteve 44,46% dos votos nas autárquicas de 1 de Outubro.

 

A comparação com 2013 permite uma explicação simples para esta relevante mudança no contexto autárquico, que já era antecipado pelo duro discurso de vitória proferido pelo autarca, visando PS e PSD. O sétimo vereador "vem" dos social-democratas, que perdem outro para os socialistas e ficam com apenas um. Os 10,4% do economista Álvaro Almeida são o pior resultado de sempre para o partido na Invicta – e metade dos 21% de Menezes há quatro anos, o anterior recorde negativo.

 

Manuel Pizarro, que em 2013 fez um acordo pós-eleitoral com Moreira, consegue aumentar em seis pontos essa votação, fechando com 28,55%, e ganha então mais um vereador para os socialistas, que ficam com quatro até 2021. O líder da distrital portuense do PS não consegue evitar a vitória de Moreira, mas escapa às piores estimativas traçadas em Maio, quando teve de avançar nas urnas contra o ex-parceiro de coligação.

 

Ilda Figueiredo (5,89%) é eleita vereadora, como antecipado por todas as sondagens. Já o candidato bloquista, João Teixeira Lopes (5,34%), ficou a escassos votos de ser eleito e de se tornar assim o primeiro vereador do partido na Invicta. A lista do PAN, encabeçada por Bebiana Cunha, não chegou aos 2%.

Manter o rigor nas contas, intervir fiscalmente na área da habitação, descongestionar a Via de Cintura Interna (VCI) e assumir a gestão da recolha de resíduos. Estas são algumas das prioridades do mandato para Rui Moreira, a acreditar nas propostas feitas durante a campanha eleitoral, que os munícipes portuenses poderão "cobrar" nos próximos quatro anos.

O movimento independente venceu também a votação para a Assembleia Municipal, com mais quatro pontos e um eleito do que em 2013. Por outro lado, os candidatos do movimento afecto ao ex-presidente da Associação Comercial do Porto venceram cinco das sete freguesias da cidade. Tal como há quatro anos, apenas Paranhos e Campanhã escaparam para o PSD e para o PS, respectivamente.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 semanas

CREDO !?!?!?!?!

Mais 4 anos de ANARQUIA no ESTACIONAMENTO! LIXO pelas ruas!
Mais 4 anos de cidade INTRANSITAVEL!

Cidade do porCo paraiso para romarias de turistazecos de 3ª, toines de chinelos e meias e velhadas múmias paraliticas! INFERNO para o tuga que la habita ou trabalha....

Deixa de ler tanta ficção, oh direitolas Há 2 semanas

Ouve lá, oh Anónimo do comentário "O CDS de Assunção é o justo vencedor destas eleições ...", conta aqui para nós que tipo de ficção andas a ler.
Deves ter acordado há pouco tempo e supores que ainda estás a sonhar, confundindo o teu desejo de direitolas com a realidade.

Anónimo Há 2 semanas

O CDS de Assunção é o justo vencedor destas eleições. No Porto e em Lisboa é claro que a máquina do partido está a funcionar e a estratégia está a colher frutos. O país precisa de uma liderança na direita, de uma oposição forte com sentido de Estado e com os valores da Constituição e da Nação.

Joca Há 2 semanas

Cegueira do povo portuense que correu a votar neste fozeiro. Ele só beneficia a clique da Foz, os gajos dos bares e os donos dos hostéis para turistas. O resto vai continuar a chuchar no dedo como é costume.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub