Economia Oliveira Martins não vê probabilidade de novo resgate

Oliveira Martins não vê probabilidade de novo resgate

Os juros sobem mas de novo resgate não é bom nem falar. Guilherme D'Oliveira Martins defende que a tendência das últimas semanas tem sobretudo uma raiz internacional, a da subida da inflação na Europa.
A carregar o vídeo ...
Tiago Freire 08 de janeiro de 2017 às 12:00
O início da retirada de estímulos do BCE e a subida das taxas de juro de Portugal, factores relacionados, devem ser acompanhados com prudência. No entanto, Guilherme D'Oliveira Martins não crê que este movimento possa vir a pressionar o país no sentido de um novo resgate.

Em entrevista ao programa Conversa Capital, da Antena 1 e do Jornal de Negócios, o ex-Presidente do Tribunal de Contas e actual administrador da Gulbenkian, pede prudência até nas conversas sobre tal eventualidade, porque "os factores psicológicos pesam, e já pesaram" no passado.

Oliveira Martins reconhece que é preciso controlar esse efeito dos juros mas alerta: "não podemos correr o risco de antecipar pressões que decorram do mercado ou da perda da confiança no mercado".

A Conversa Capital desta semana pode ser lida na edição de segunda-feira do Jornal de Negócios.



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado matita42 08.01.2017

Considero Oliveira Martins uma pessoa séria e isenta. No meu entender, porém o problema é mais sério do que ele apresenta dado o avolumar da dívida pública, os juros tendem a aumentar proporcinalmente muito mais, em 2016 tivemos de pagar cerca de 8,400 milhões e a economia não arranca porque o investimento é quase nulo.

comentários mais recentes
Maria 08.01.2017

Um homem que deixou o Tribunal de Contas, meses a fio sem Presidente, para não perder o seu tacho na Gulbenkian ? Um Grande Homem!

Jose Santos 08.01.2017

ta a precisar de ir ao oftalmologista carago

Gatunos 08.01.2017

Com quase 5 mil milhões de euros que os contribuintes terão de pagar para pagarem a bancarrota da CGD e mais 4, 9. Mil milhões para pagar a bancarrota do Ex-bes e resta pagar a bancarrota do banif+bpn cerca de 5 mil milhões de euros mais cerca de 3 mil milhões para swaps a quarta bancarrota será inevitável, pois este governo de palhaços implementou um horário de 35 horas semanais para os trabalhadores de um Estado falido, continua a fazer o mesmo do criminoso governo psd+cds que com a ajuda da troika arrasou a economia Tugas, aumentar os impostos num país de tesos falidos e penhorados, ninguém já emprega Tugas com salários decentes, pois Portugal está nas miséria e na bancarrota.
"

Francisco Carvalho 08.01.2017

NÃO SE FIEM. ELE TAMBÉM NÃO VIU A BANCARROTA CHEGAR !!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub