Política Passos Coelho vota contra a integração de precários na função pública

Passos Coelho vota contra a integração de precários na função pública

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, disse hoje que vai votar contra a integração dos trabalhadores precários na função pública.
Passos Coelho vota contra a integração de precários na função pública
Lusa 24 de Novembro de 2016 às 12:58

Numa intervenção durante a 1.ª Convenção Anual de Administração Pública Reforma do Estado: principais estratégias e desafios, em Leiria, Passos Coelho considerou também que as reformas do Estado não são feitas desta forma e que na discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2017 votará contra a medida anunciada.

 

"O Governo já está a prometer para Setembro do próximo ano, que é o mesmo da campanha eleitoral autárquica, integrar no Estado os precários todos. Não sabemos quem são, o que fazem, o que é que vai custar para futuro e quem é que vai ter de pagar isso. Enquanto as reformas do Estado forem feitas assim, estamos mal. E espero ir votar contra isto hoje de manhã, justamente daqui a pouco, no parlamento, dentro da discussão da especialidade do Orçamento do Estado", adiantou Pedro Passos Coelho.

 

O líder do PSD alertou que o "Estado tem de ter muito cuidado com a despesa que tem em salários, porque entre prestações sociais e salários vai 70% da nossa despesa".

 

"Aqui há muitos anos houve um governo do PS que disse uma coisa simpática: há muitos precários no Estado, é preciso passar essas pessoas para o Estado e foram quase 100 mil. Depois veio a 'troika' e tivemos de pôr fora 80 mil", acrescentou.

 

Considerando que o processo de reforma do Estado "é um processo contínuo", o líder do PSD lembrou que a assimetria do país, com uma "certa desertificação humana, do interior para o litoral e do litoral para os grandes centros urbanos", obrigou o Estado a "reorganizar a sua rede e a sua oferta".

 

Passos Coelho entende que será necessário definir um "limiar crítico", sob pena da desertificação ser ainda maior por falta de resposta às populações. Nesse sentido, o social-democrata defende "um processo de descentralização de funções importantes, que têm estado acometidas ao Estado para o nível dos municípios e das comunidades intermunicipais".

 

Segundo Passos Coelho, a Educação, Segurança Social e Saúde "podem passar para o plano dos municípios e juntas de freguesia e para o nível de organização entre estes à escala das comunidades intermunicipais".

 

Pedro Passos Coelho exemplificou com os centros de saúde e escolas secundárias, que podem ser partilhadas pelos municípios. "Hoje já temos um poder local em condições de poder tratar destas coisas também".

 

Afirmando que esta é uma discussão que já decorre, o antigo primeiro-ministro referiu que o PSD "apresentou um conjunto de propostas nessa matéria", que consideram "estruturantes" e que "faz parte de um processo de uma segunda vaga de reforma do Estado".

 

"Sabemos que o Governo também tem andado a discutir esta matéria com a Associação Nacional de Municípios e quem sabe até chegamos a um entendimento muito alargado nestas matérias. E eu desejaria muito que isso acontecesse, porque o país ficaria a lucrar com isso".

 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Elouise Há 6 dias

Such an impsirseve answer! You've beaten us all with that!

Anónimo Há 1 semana

NESTE MOMENTO TUDO O Q ESTE GOVERNO FIZER É TUDO ELEITORALISMO. ESQUECEU-SE DO QUE FEZ?
BASTA VER OS BURACOS DEIXADOS TODOS EMPURRADOS P DEPOIS DAS ELEIÇÕES EM CONJUNTO C A MARILU.
ISSO NÃO FOI UM GOLPE ELEITORAL?
AINDA DIZ Q TINHA VERGONHA SE FOSSE GOVERNO. NUNCA TIVESTE. N HÁ PACHORRA.

Anónimo Há 1 semana

Deixa andar,o PS vai meter lá os compadres todos de novo,quando isto voltar a rebentar nós os contribuintes voltamos a pagar tudo de novo,com o PS no governo e esta esquerda o que esperavam?

É o que vejo Há 1 semana

Este homem amargurado e frustrado não gosta mesmo das pessoas. Para que serve a economia se não for para servir as pessoas concretas?! Crescer só para engordar uma minoria, não vale apena. Passe bem (ou mal) sr Passos lá no seu inferno.

ver mais comentários
pub