Conjuntura PSD pergunta onde é que pára o investimento. CDS aponta "oportunidade perdida" 

PSD pergunta onde é que pára o investimento. CDS aponta "oportunidade perdida" 

A oposição considera que o actual ritmo de crescimento não é suficiente e que o Governo devia aproveitar clima de baixos juros, petróleo em baixa e Espanha a crescer mais de 3%.
PSD pergunta onde é que pára o investimento. CDS aponta "oportunidade perdida" 
Miguel Baltazar / Negócios
André Cabrita-Mendes 15 de Novembro de 2016 às 18:21
O PSD criticou as políticas do Governo e considera que estão a afastar os investidores do país, num momento em que o investimento regista um nível baixo em Portugal.

"A política do Governo, baseada na procura interna, continua a assustar os investidores", apontou o deputado do PSD Joel Sá durante a audição do ministro da Economia no Parlamento esta terça-feira, 15 de Novembro.
 
O deputado citou por isso associações empresariais que criticaram as políticas do Governo, como a CIP ou a CCP. "Não somos nós [PSD] que o dizemos, mas sim os empresários portugueses, que estão a dizê-lo".

Sobre o crescimento de 1,6% da economia no terceiro trimestre, o PSD apontou que vai ficar abaixo do previsto. "Ficamos contentes com o crescimento da economia, mas vamos crescer muito menos do que o prometido pelo Governo". 

"Esperemos que o Governo reconheça esta falhanço. É preciso mais investimento e para isso é preciso confiança", destacou Joel Sá. "Portugal precisa de um verdadeiro ministro da Economia. Portugal merece ser levado a sério", defendeu.

Também pela oposição, o CDS veio defender que o Governo devia fazer mais no actual clima económico positivo.

"Este Orçamento é uma oportunidade perdida", começou por apontar o centrista Pedro Mota Soares, que destacou os juros baixos, o preço baixo do petróleo e o facto do maior parceiro comercial de Portugal, Espanha, estar a crescer mais de 3%.

"Um conjunto destes factores não vai perdurar para sempre. Portugal devia estar a fazer tudo para aproveitar esta circunstância", defendeu o deputado centrista.

Criticou depois as palavras do deputado socialista, Carlos Pereira, que disse que o crescimento de 1,6% no terceiro trimestre era um "super crescimento". 

"Não nos verá a dizer que este é um super crescimento. Se olharmos para o crescimento de 1,5% em 2015, teríamos então de dizer que esse foi um hiper-crescimento? Um mega-crescimento?", afirmou o centrista.



A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado manuelfaf Há 3 semanas

Quer seja esta oposição ou outra, o partido e a oportunidade de tacho está sempre em primeiro lugar. Se para isso levarem o país (e seus habitantes) para o charco, não tem mal. É sempre a mesma história, rebaixar os outros para serem uns heróis. Mas alguém acredita, governo após governo, direita ou esquerda, que todas as decisões são más? Não há um pingo de sentido de Estado nesta oposição. O que interessa é dar uma imagem negativa para nas próximas eleições trocarem de lugar. Uma enxada na mão faz falta a muita gente...

comentários mais recentes
Caro Pedro A. Há 2 semanas

Meu querido se ganhou porque não governa? Já ouviu falar em maiorias parlamentares amorzinho? Emigre seu piegas.

Y Há 2 semanas

Não era esta gente que "investia" em colegios privados?

LOL Há 2 semanas

Então os direitolas agora trocaram o Diabo pelo investimento? Todos desorientados, banhinho ao cão, força Costa

Anónimo Há 2 semanas

A culpa é do diabo! ah ganda tecnomerda!|

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub