Justiça Sarkozy vai a julgamento por suspeitas de financiamento ilegal de campanha

Sarkozy vai a julgamento por suspeitas de financiamento ilegal de campanha

Nicolas Sarkozy vai a tribunal por suspeitas de financiamento ilegal da campanha eleitoral de 2012.
Sarkozy vai a julgamento por suspeitas de financiamento ilegal de campanha
Bloomberg
Negócios 07 de fevereiro de 2017 às 09:48

O ex-presidente francês, Nicolas Sarkozy, vai a julgamento, devido a suspeitas de financiamento ilegal da campanha eleitoral de 2012, altura em que o responsável tentou a re-eleição, revelou esta terça-feira fonte judicial, citada pela imprensa internacional. 

O Ministério Público considera que Sarkozy ultrapassou de forma substancial o limite de despesas, fixado em 22,5 milhões de euros, ao usar uma contabilidade paralela com a empresa de relações públicas Bygmalion, explica o Guardian.

 

A Reuters adianta que com Sarkozy vão também a julgamento 13 outras pessoas, acusadas de gastos excessivos e ilegalidades no financiamento da campanha.

Alegadamente a Bygmalion terá cobrado milhões de euros ao partido de Sarkozy, na altura UMP (tendo entretanto sido renomeado de Republicanos), em vez de cobrar esse valor à campanha presidencial, adianta o Guardian.

 

O jornal francês Le Figaro adianta que há suspeitas de um sistema de facturas falsas, no valor total de 15 milhões de euros, cujo objectivo era cobrar ao UMP despesas que faziam parte da campanha eleitoral para as presidenciais de 2012, que Sarkozy perdeu para François Hollande.

 

Sarkozy prepara-se para ser o segundo ex-presidente de França a ser julgado, tendo sido condenado a dois anos de pena suspensa, em 2011, no âmbito de um escândalo de criação de postos de trabalho fictícios.


(Notícia actualizada com mais informação)


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub