Política Sondagem: Maioria prefere redução do défice à devolução de salários e pensões

Sondagem: Maioria prefere redução do défice à devolução de salários e pensões

A Aximage entrevistou mais de 600 pessoas e perguntou-lhes a que dariam prioridade se fossem elas a tomar a decisão: baixar o défice ou repor cortes nos ordenados e pensões?
Sondagem: Maioria prefere redução do défice à devolução de salários e pensões
Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 26 de outubro de 2017 às 19:00

Reduzir o défice ou repor os cortes nos ordenados e nas pensões? A pergunta foi feita pela Aximage, numa sondagem feita para o Jornal de Negócios e Correio da Manhã, e revela que a maioria dos inquiridos opta pela melhoria da situação das contas públicas em vez de defender uma devolução dos cortes que tinham sido aplicados no tempo da troika.

A conclusão que se pode retirar deste inquérito aponta para resultados que podem ser vistos como surpreendentes. Quando fez a pergunta a 603 pessoas, a empresa que elabora estudos de opinião pediu aos entrevistados para se colocarem no lugar de um governante. Perante o desafio de ter de continuar a baixar o défice ou repor salários e pensões, 55,5% do total de inquiridos disse que adoptaria a primeira opção como prioridade. Mais de um terço dos inquiridos, mais concretamente 36,7%, daria preferência à reposição dos cortes nos salários e pensões. 5,4% revelam que escolheriam as duas opções e 2,4% não teria opinião.



O inquérito foi feito entre os dias 14 e 17 de Outubro, um período que coincide já com o anúncio de novas medidas de aumento dos rendimentos (redução do IRS, progressões nas carreiras da Função Pública e aumento de pensões) embora ainda não estejam no terreno.

Desde que tomou posse, em Novembro de 2015, o Governo liderado por António Costa já aumentou pensões em 2016 e em 2017 e repôs totalmente os salários dos funcionários públicos, que desta forma regressaram a níveis de 2010, ano anterior à chegada da troika a Portugal.

Mas também tem baixado o défice, que passou dos 4,4% do PIB em 2015, impulsionados pelo efeito Banif, para 2% em 2016. Para 2017, o Executivo aponta para um défice de 1,4%. O Governo tem acentuado, recentemente, as vantagens de continuar a reduzir o défice ao mesmo tempo que insiste na reposição de salários.

No entanto, estas duas medidas beneficiam segmentos muito concretos da população: os aumentos de salários dizem respeito a funcionários públicos e os aumentos de pensões beneficiam obviamente os reformados. De fora destes grupos estão os trabalhadores do sector privado (que representam a grande maioria da população empregada), cujas respostas podem ter sido determinantes para o surpreendente resultado do inquérito.


Ficha técnica
Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 603 entrevistas efectivas: 278 a homens e 325 a mulheres; 57 no Interior Norte Centro, 81 no Litoral Norte, 107 na Área Metropolitana do Porto, 108 no Litoral Centro, 170 na Área Metropolitana de Lisboa e 80 no Sul e Ilhas; 104 em aldeias, 158 em vilas e 341 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo de corrido nos dias 14 a 17 de Outubro de 2017, com uma taxa de resposta de 82,4%.

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 603 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" - a 95% - de 4,00%).

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.



A sua opinião31
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Ninguém honesto pensa num calote... 27.10.2017

Há sempre quem queira lançar para cima das costas dos Outros dívidas que contrai.
Haverá casos em que os Outros se dispõem a suportar tais dívidas, em nome de princípios de solidariedade social.
Mas como destrinçar entre os casos justificados, e os que não e resultam de puro oportunismo e de vontade de consumir mais à custa de quem paga impostos ?
Á classe Politica de legitimamente decidir em consciência (sem preocupações e oportunismo eleitoralista) o que será menos mau:
Ou aumentar o défice e acabar por inexoravelmente responsabilizar quem paga impostos e é responsável pela sua parte proporcional da dívida pública;
Ou repor salários a quem viu os seus ordenados reduzidos, e muitas vezes frustradas justas e algumas vezes prioritárias preocupações de consumo?
PS: Que não se esqueça que o défice é uma dívida que os cidadãos pagadores de impostos estão a contrair, e que, não se forem eles a pagá-la, serão os descendentes, pois que ninguém honesto admite hipótese de vergonhoso calote

comentários mais recentes
mpro Há 3 semanas

Estudo com manha....

Anónimo Há 3 semanas

http://www.jornaldenegocios.pt/economia/financas-publicas/detalhe/a-tres-meses-do-fim-do-ano-como-estao-as-contas-publicas?ref=DET_relacionadas

Anónimo Há 3 semanas

Claro não pagam esses impostos... além disso a segunda pergunta junta cortes e pensões e ordenados logo muitos na dúvida respondem reduzir o déficit. O mais delicioso é que com o nível médio de literacia financeira em Portugal 75% não sabe distinguir dívida de déficit...

SE EU PODER COMER LAGOSTA.... Há 4 semanas

Se eu PODER ESCOLHER......NAO COMO PETINGA todos os dias
Alias com a barriga cheia e sempre possivel dizer aqueles que NAO A TEEM..... o que estes devem comer.

ver mais comentários
pub