Economia UTAO: Estado arrecadou menos receita mas também gastou menos até Novembro

UTAO: Estado arrecadou menos receita mas também gastou menos até Novembro

Os técnicos parlamentares destacam as poupanças obtidas ao nível da Segurança Social, que registou, até Novembro, um excedente acima do projectado para o ano como um todo.
UTAO: Estado arrecadou menos receita mas também gastou menos até Novembro
Bruno Simão
Rita Faria 04 de janeiro de 2017 às 12:56

Até Novembro de 2016, a execução da receita ficou aquém do previsto. A despesa também foi menor do que a projectada, nomeadamente ao nível dos subsídios, transferências e investimento, refere a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), no relatório sobre a execução orçamental referente a Novembro.

"As administrações públicas apresentaram um défice até Novembro de 2016, o qual representa uma melhoria face ao período homólogo. A execução da receita encontra-se aquém da prevista, mesmo considerando a recente estimativa para 2016 divulgada no âmbito do OE/2017, sobretudo das outras receitas correntes e da receita de capital, mas também da receita fiscal", lê-se no relatório da UTAO.

Em compensação, a despesa "também evidencia um grau de execução abaixo do previsto", designadamente ao nível dos subsídios, transferências e investimento.

Os técnicos parlamentares destacam as poupanças obtidas ao nível da Segurança Social, que registou, até Novembro, um excedente acima do projectado para o ano como um todo.

"Até Novembro, a Segurança Social apresentou um saldo orçamental de 1.302 milhões de euros (...) que supera o previsto para 2016 (1.149 milhões de euros) na projecção efectuada no OE/2017", lê-se na análise. Isto num período em que a receita cresceu 4,2%, quase o dobro da subida da despesa, que foi de apenas 2,2%.

A UTAO salienta que despesa com prestações de desemprego e apoio ao emprego fixou-se em 1.392 milhões de euros, o que representa uma redução de 13,9% face ao mesmo período do ano anterior. "Se esta evolução permanecer em Dezembro prevê-se uma menor despesa em 2016 do que a projectada quer no OE/2016 (diminuição de 7%), quer no OE/2017 (decréscimo de 10,7%)", antecipam os técnicos.

 

Em relação ao último mês do ano, a unidade de apoio orçamental prevê que a execução de algumas receitas e despesas "deverá acelerar", incluindo as receitas com impostos, despesas com pessoal, dotação provisional e transferências correntes e de capital, "estas últimas também dependentes do recebimento de fundos comunitários". "No caso da receita, a cobrança de impostos do último mês contará com o resultado do Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado e do plano de reavaliação de activos fixos tangíveis empresariais", acrescentam os técnicos.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


Os FP/CGA devem mais de 30 mil milhões de € ao estado (aos restantes contribuintes).


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...


os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o pagamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.


comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Se o estado nunca provisionou a CGA, tal como fazem as empresas, é óbvio que tem que ser o orçamento do estado a assumir a responsabilidade pelo pagamento das reformas dos Funcionários.

Anónimo Há 3 semanas


OS CÃES RAIVOSOS DA FP_CGA

Os cães raivosos da FP_CGA abocanharam tudo e mais alguma coisa nos últimos 40 anos.

Sempre à custa dos trabalhadores e pensionistas do privado, que sustentam a FP e seus pensionistas a pão de ló.


Anónimo Há 3 semanas


Os FP/CGA devem mais de 30 mil milhões de € ao estado (aos restantes contribuintes).


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...


os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o pagamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.


Ainda vao ter que engolir todos os insultos... Há 3 semanas

Atao nao querem ver que o "Semtino" afinal tem mais tino a dormir que todos aqueles/as xpertos/as, a comecar pla velha falabarato, pretensamente com os olhos abertos! Ainda vamos ter que importar sapos pra alimentar toda essa gentalha....qual diabo em figura de gente.

ver mais comentários
pub