Educação Metade dos portugueses está a fazer formação ao longo da vida

Metade dos portugueses está a fazer formação ao longo da vida

Ao longo da última década, o peso da formação ao longo da vida tem vindo a aumentar. A educação não formal, ligada à vida profissional, é um factor a impulsionar o cenário.
Metade dos portugueses está a fazer formação ao longo da vida
Wilson Ledo 15 de dezembro de 2017 às 12:25

Os portugueses participaram mais em actividades de aprendizagem ao longo da vida durante a última década. Em 2016, esse peso era de 3,2 milhões de pessoas ou 50,2%, mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os valores contrastam com os 2,1 milhões e 30,9% registados em 2007. A evolução fica sobretudo a dever-se à edução não formal – aquela que não implica a atribuição de um nível escolar – que é justificada, quase na totalidade, por uma ligação à actividade profissional.

Das pessoas que fizeram educação formal, aquela que implica um nível, em 2016 a maioria optou pelo ensino superior (66%). Outros 30% recorreram ao ensino secundário ou pós-secundário.

O retrato do INE mostra a participação em actividades de aprendizagem ao longo da vida é maior em Lisboa e no Centro. Contudo, a Madeira é a região que maior crescimento registou em dez anos, passando esse peso de 20% para 45%.

Quanto maior o nível de formação, maior a subida nos prémios salariais: 15% para primeiro ciclo, 71% ensino secundário ou pós-secundário, 136% para uma pessoa que completou o ensino superior, mostra o mesmo relatório.


Sete em cada dez adultos portugueses conhecem pelo menos uma língua estrangeira, com preferência para o inglês. Seguem-se, à distância, o francês e o espanhol.

O INE diz ainda que o nível de escolaridade da mãe tem maior impacto, em comparação com o pai, na probabilidade de uma pessoa ter ensino superior.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub