Finanças Públicas Banco de Portugal substitui FMI na troika de credores
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Banco de Portugal substitui FMI na troika de credores

O valor da dívida do Estado no balanço do Banco de Portugal atingiu os 26,6 mil milhões de euros no final de Outubro, um valor equivalente ao empréstimo inicial do FMI que o Governo tem vindo a pagar antecipadamente. Estrangeiros ainda não regressaram à dívida.
Banco de Portugal substitui FMI na troika de credores
Bruno Simão
Rui Peres Jorge 02 de janeiro de 2018 às 22:50

O Banco de Portugal substitui o FMI na troika de grandes credores de Portugal. Esta é a alteração mais significativa no perfil de detentores de dívida pública nacional desde o final do programa de ajustamento. O movimento )

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Ainda bem que a dívida soberana não mãos de particulares estrangeiros diminui: é nesse segmento de credores que estão os abutres. Safa, safa!

JCG Há 2 semanas

Do mal o menos. Assim, pagamos os juros dessa parte da dívida ao Banco de Portugal e parte desses juros voltará ao Estado sob a forma de dividendos; outra parte servirá para pagar as mordomias e privilégios do pessoal que por lá abanca... esperemos que essa gente gaste parte desses recursos em Portu

Anónimo Há 2 semanas

O défice reduziu-se um pouco, mas onde o governo devia cortar, no despesimo com assalaridos desnecessários, não cortou. Isso pesa sobre o investimento público em importantes equipamentos e materiais vários em todo o sector público que devia servir os cidadãos em vez de se servir deles. https://www.dn.pt/portugal/interior/escolas-sem-dinheiro-para-aquecer-salas-e-renovar-material-9020588.html

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub