Orçamento do Estado Daniel Bessa: "Com este crescimento, no mínimo, tinha défice zero"

Daniel Bessa: "Com este crescimento, no mínimo, tinha défice zero"

O antigo ministro da Economia defende que a folga gerada pelo crescimento económico devia ser usada para mostrar que Portugal quer pagar a dívida.
Daniel Bessa: "Com este crescimento, no mínimo, tinha défice zero"
Negócios 13 de outubro de 2017 às 12:22
O economista Daniel Bessa defende que o Governo devia aproveitar a folga gerada pelo crescimento económico para dar um sinal de que quer pagar a sua dívida pública. 

"Com o crescimento que a economia está a ter, no mínimo, eu tinha um défice zero. Mais: em vez do zero eu propunha 0,5% de excedente", defendeu o ex-ministro da Economia em entrevista ao jornal Público

O professor da Porto Business School argumenta "isso daria ao mundo um sinal" de preocupação com o problema da dívida pública.

Reconhecendo que o seu problema é com a "elite" - que não é capaz de assumir o problema da dívida de forma frontal - e não com o "português comum", Bessa admite que o facto de o Governo e os parceiros não optarem por aquele caminho (e preferirem ir além da devolução de rendimentos) é "o preço a pagar pela democracia". 

Na mesma entrevista, o economista rejeita a ideia que o Governo tenha virado a página da austeridade e põe-se ao lado dos que defendem que devia haver um acordo de regime sobre as obras públicas.