Impostos Software do fisco só teve “apagão” no caso das offshores

Software do fisco só teve “apagão” no caso das offshores

O programa que serve para registar as transferências para offshores também é usado para registar venda de valores mobiliários e rendimentos retenções a taxas liberatórias, por exemplo. Mas só falhou no caso do registo dos 10 mil milhões de euros transferidos para offshores. As questões estão a ser levantadas pelo Governo.
Software do fisco só teve “apagão” no caso das offshores
Miguel Baltazar
Negócios 03 de julho de 2017 às 08:55

O programa informático usado pelo fisco nos últimos anos para registar as transferências para offshores, onde se deu a falha que deixou por registar 10 mil milhões de euros, também era utilizada para outros fins, como o processamento de outras declarações, como retenções de taxas liberatórias. Mas de acordo com a edição desta segunda-feira, 3 de Julho, do jornal Público, que dá conta das contradições do caso e das dúvidas do actual Governo, as anomalias só se registaram no registo do dinheiro enviado para paraísos fiscais.

O facto de o erro só se ter verificado com a validação das declarações Modelo 38 enviadas pelos bancos com essa informação – e não com a declaração modelo 4 (sobre compra e venda de valores mobiliários) ou modelo 39 (sobre rendimentos e retenções a taxas liberatórias), que passavam pelo mesmo sistema, o "PowerCenter" – é referido pela IGF mas, de acordo com o jornal, não foi considerado relevante pelo serviço tutelado pelo ministro das Finanças. A questão é omitida nas conclusões do relatório que, segundo descreve o diário, abdicou de fazer as suas próprias perícias para ver o que se passava com o programa.

Foi com base nas avaliações do próprio fisco que a IGF concluiu que "não foram identificados quaisquer problemas de natureza semelhante ao verificado na declaração Modelo 38".Este programa deixou entretanto de ser usado para estes fins.

Com base em peritagens do Instituto Superior Técnico, a IGF considerou "extremamente improvável" ter existido mão humana deliberada para ocultar 10 mil milhões de euros transferidos de 2011 a 2014, 8 mil milhões dos quais por dois grupos empresariais. A auditoria não terá convencido o actual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade (na foto), que num despacho referiu que há "aspectos relevantes" por esclarecer e ordenou que o fisco averigúe se houve uma "marcação de transferências específicas".

Geralmente, segundo a IGF, a AT guarda o registo da actividade da aplicação durante 18 meses, mas quando o caso foi descoberto, em Outubro, ainda não tinha passado esse prazo, e há 14 de 20 declarações em relação às quais o histórico foi apagado.

O relatório e o despacho estão a ser analisados pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP).




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 03.07.2017

O que está a precisar de um grande apagão é o excedentarismo, a corrupção e demais despesismo na Agência Tributária.

comentários mais recentes
Pedro 17.07.2017

Claro. Para os amigos dos milhões, o software que a AT tem "esqueceu-se", mas para aquele que se esqueceu de pagar o selo do carro no valor de 11,15€ já o software não se esqueceu de enviar a respectiva notificação para casa com o valor da multa. E a AT espera que acreditemos que foi coincidência?!!

ahahaha 03.07.2017

É um software seletivo, onde para a policia??????????????????????????????????

Lurdes 03.07.2017

Cheira a roubalheira por todo o lado. Num país normal já havia gente na prisão.

Proposta 03.07.2017

Acabar com o MP, PGR, DCIAP. Só dão despesa e nada fazem. Extinga-se de vez que se poupa um dinheirão ao contribuinte.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub