Política Monetária As seis fases de uma década de crise na Europa

As seis fases de uma década de crise na Europa

A maior crise económica e financeira desde a Grande Recessão de 1929 começou há dez anos e já passou por várias fases. Revisite os momentos mais importantes à luz de cinco indicadores centrais para a evolução da política monetária europeia.
As seis fases de uma década de crise na Europa
A maior crise económica e financeira desde a Grande Recessão de 1929 começou há dez anos. Os problemas no mercado hipotecário de alto risco nos EUA ("subprime") já se sentiam há alguns meses, e os seus efeitos na volatilidade de alguns segmentos de mercado eram visíveis há semanas. Mas foi a 9 de Agosto de 2007 que o BCE pela primeira vez injectou liquidez de emergência no sistema financeiro da Zona Euro para combater o congelamento dos fluxos de crédito interbancário. Desde então, com erros e sucessos, o BCE insuflou o seu balanço para 4,25 biliões de euros, ou quase 12,5 mil euros por europeu, numa crise de uma década que pode ser dividida em seis fases:

1: Os primórdios da crise, de 9 de Agosto de 2007 a 15 de Setembro de 2008
A desconfiança entre bancos força o BCE a injectar liquidez pela primeira vez no sistema financeiro da Zona Euro a 9 de Agosto de 2007. Os meses seguintes são confusos e voláteis e o BCE ainda sobe juros em Julho de 2008. Dois meses depois cai o Lehman Brothers nos EUA, dando início à grande crise financeira internacional.

2. A grande crise internacional, de 15 de Setembro de 2008 a 23 de Abril de 2010
A queda do Lehman Brothers em Setembro de 2008 marcou o início da grande crise internacional. A desconfiança generalizou-se por todo o sistema financeiro das economias avançadas, os bancos centrais coordenaram-se em medidas de cedência de liquidez e corte de juros. Em seis meses o BCE passou a taxa central de 4,25% para apenas 1% em Maio de 2009.

3. Zona Euro sob ameaça, de 23 de Abril de 2010 a 2 de Novembro de 2011
A terceira fase da crise é marcada pelo agudizar dos problemas da Zona Euro, com vários resgates de Estados-membros, a começar pelo grego em Abril de 2010. Seguiu-se o irlandês em Novembro de 2010 e o português em Abril de 2011. A ligação diabólica entre a saúde do sistema financeiro e dos respectivos soberanos fazia sentir-se em toda a força, e começa mesmo a ameaçar grandes países como a Espanha e a Itália.

4. Draghi muda o jogo, de 2 de Novembro de 2011 a 4 de Julho de 2013
A entrada de Mario Draghi para a liderança do BCE em Novembro de 2011 muda o jogo da crise. Em Dezembro avança com empréstimos de muito longo prazo que devolveram alguma tranquilidade aos grandes bancos da periferia. Confrontado com o ressurgir de pressões sobre as taxas de juro na periferia, em Julho de 2012 faz o célebre discurso de Londres em que garante que o banco central fará "o que for preciso" para garantir a unicidade do euro e em Setembro o BCE apresenta o OMT, o programa de compra de dívida pública de países em dificuldades. As taxas de juro começaram a baixar consistentemente desde então.

5. O fantasma da deflação, de  4 de Julho de 2013 a 22 de Janeiro de 2015
Com a Zona Euro fora de perigo de vida, chegou a ameaça de deflação na Zona Euro. Em Julho de 2013 o BCE estreia-se em medidas não convencionais, como o "forward guidance", ou seja, garantias de médio e longo prazo para a evolução da taxa de juro, o que nunca tinha feito. A ideia foi defender a Zona Euro da volatilidade provocada pelo início da normalização da política monetária nos EUA sinalizada na Primavera de 2013 por Ben Bernanke na Fed. A taxa de inflação já estava a cair na Zona Euro e tinha chegado a 1,6% em Julho de 2013. Em Maio de 2014 já estava nos 0,5% eo BCE vai mais longe, estreando-se nas taxas de juro negativas em Junho desse ano.

6. BCE começa compra de dívida pública, desde 22 de Janeiro de 2015
Um pouco mais de seis anos após a Reserva Federal, em Janeiro de 2015 o BCE confirma que vai avançar com um programa de compra alargada de activos, ao ritmo de 60 mil milhões de euros por mês, com destaque para a compra de dívida pública. O objectivo foi travar os riscos de deflação na Zona Euro. O programa foi reforçado em Março de 2016 para compras de 80 mil milhões de euros mensais e cortes nas taxas central para 0% (de 0,05%) e de depósitos para -0,4% (de -0,3%). Em Março de 2017, considerando que o risco de deflação desapareceu, o BCE volta a reduzir as compras mensais para 60 mil milhões de euros e guarda para o segundo semestre deste ano novidades sobre novas orientações para a política monetária, no que deverá configurar o início da sétima fase da crise.







A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Sauldavi Há 1 semana

Ao ajudar os banco, criou-se um sistema falido na essencia, que mantem os vicios anteriores e a confianca nos banqueiros que se algo der errado o povo paga a conta e eles ficam ricos e com os lucros.

General Ciresp Há 1 semana

A crise de 2008 foi 1 teste a capacidade dos governantes de todo o mundo.Na EU verificamos q so os paises nordicos foram capazes de superar a crise q nos assola.Fomos infelizes com a entrada forcada da gerigonca q mais nao faz do q andar em experiencias,como se nao soubessemos como actua o comunismo

Anónimo Há 1 semana

É só olhar para o montante da Dívida de alguns Países da zona euro para perceber que a crise está longe de ser resolvida. E se olharmos para o outro lado do Atlântico então o problema da Dívida ainda é mais grave.

pub