Política Passos Coelho critica reação do Governo a declarações de Teodora Cardoso sobre défice

Passos Coelho critica reação do Governo a declarações de Teodora Cardoso sobre défice

  O presidente do PSD defendeu no sábado que a reação do Governo às declarações da presidente do Conselho de Finanças Públicas sobre o défice orçamental de 2016 reflete imaturidade e pouco apreço pela sociedade civil.
Passos Coelho critica reação do Governo a declarações de Teodora Cardoso sobre défice
Lusa 05 de março de 2017 às 01:07

Num jantar que reuniu em Oliveira de Azeméis cerca de 500 mulheres sociais-democratas, Pedro Passos Coelho referiu-se a recentes declarações de Teodora Cardoso sobre as medidas que permitiram ao Governo socialista cumprir o défice orçamental em 2016.

 

Citando a economista, o líder nacional do PSD disse concordar com a sua visão de que os resultados que permitiram ao PS cumprir as metas do défice foram obtidos com recurso a condições que "não serão repetíveis muitas vezes".

 

"Teodora Cardoso sempre teve um posicionamento político que não é próximo do PSD", realçou Passos Coelho, descrevendo o Conselho de Finanças Públicas como um "organismo independente" e a sua presidente como uma profissional "competente e idónea".

 

"Mas a reação que os partidos da maioria tiveram [às suas declarações] foi no sentido mais negativo que se possa imaginar: apoucando, amesquinhando, ameaçando rever a lei [que regula o modelo de funcionamento do Conselho de Finanças Públicas]", rematou.

 

Para Passos Coelho, isso "não é uma atitude democrática madura, não é uma atitude de alguém que tenha uma visão tolerante do debate político e, sobretudo, não é uma atitude de quem gosta de olhar para a sociedade civil e nela apreciar instituições credíveis".

 

Já antes de abordar esse tema, o líder social-democrata defendera que é cada vez mais patente a tendência do PS, PCP e BE para retomar "tiques de outros tempos".

 

"O discurso do Governo e da maioria revela intolerância e uma cultura empobrecedora, de quem não gosta da crítica, não aceita uma visão diferente da sociedade e gostava de impor a lei da rolha", salientou Pedro Passos Coelho.

 

 




A sua opinião25
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Paga os impostos atempadamente e se não estás bem emigra e leva contigo o teu amigo Relvas

comentários mais recentes
Elly Há 2 semanas

Yup, that'll do it. You have my apariception.

Mr.Tuga Há 2 semanas

Certissimo!

Já dizia o outro: "quem se mete com o PS, leva!"
Mas os esquerdas não podem ser criticados!!!!!!!!!!!! São muito democraticos! Umas virgens....

TinyTino Há 2 semanas

Portanto a CFP pode criticar o governo pelo que ele faz que ao que parece é insuficiente, mas o Governo não pode criticar o CFP por não conseguir fazer a única coisa que devia saber fazer: contas. Deixa-te de ondas ó Passos e assume que andaste a sacar os pobres enquanto mandaste fechar os olhos à fuga dos milhões dos teus amigos para as offshores

Bosta de opinador Há 2 semanas

ò besta de anonimo, o passos pagou a sua divida, era bom que o seu santo socrates e afiliados fossem exemplos,

Ponha uma velinha no ku do seu santo e va rezando

ver mais comentários
pub