Banca & Finanças Dias Loureiro “estarrecido” com arquivamento do processo do BPN

Dias Loureiro “estarrecido” com arquivamento do processo do BPN

O ex-ministro criticou, em declarações ao Diário de Notícias esta quarta-feira, 5 de Abril, a opção do Ministério Público (MP), que decidiu arquivar o inquérito, mas mantendo todas as suspeitas sobre o ex-dirigente do PSD e Oliveira e Costa.
Dias Loureiro “estarrecido” com arquivamento do processo do BPN
Duarte Roriz/CM
Negócios 05 de abril de 2017 às 09:32

Dias Loureiro afirma estar "estarrecido e preocupado" com o despacho de arquivamento do Ministério Público (MP) no caso BPN.

Segundo o DN, o documento concluiu que "uma vez que não foi reunida prova suficiente susceptível de ser confirmada em sede de julgamento, da intenção de enriquecimento dos arguidos Dias Loureiro e Oliveira e Costa, resta-nos afastar a prática de crime de burla". Assim, segundo as autoridades, "impôs-se" a conclusão de que "não foi possível a imputação de crime de branqueamento" e por isso decidiu-se pelo arquivamento.


Dias Loureiro e Oliveira e Costa estavam indiciados pelos crimes de burla qualificada, branqueamento e fraude fiscal qualificada, num processo que se arrasta há oito anos. Em causa está a "prática de factos conexos com o grupo BPN/SLN, com o negócio de venda sociedade Redal, de Marrocos, e com a aquisição de uma participação de 25% do capital da sociedade Biometrics, de Porto Rico".


No despacho, o MP salienta vários casos em que se mantêm dúvidas sobre a culpa dos arguidos, ainda que não tenha sido provada.


Dias Loureiro sublinhou que esteve "oito anos sob suspeita e tudo devido a um inquérito". "Fico estarrecido com isto. Estarrecido e preocupado", referiu. O ex-ministro recordou que durante este tempo foi assistindo a "fugas de informação sistemáticas, para agora se fazer um arquivamento com insinuações".


A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Os ladrões do BPN senta-se roubados 06.04.2017

Na minha aldeia tenho um ladrão do BPN,já sei quando me encontrar com ele vou ser preso,porque ele vai dizer que eu a que lhe estraguei o tacho do laranjal escavacado podre e corrupto.

jose Lopes 06.04.2017

O chefe do Gangue escreve as memórias do tempo que passou na casa de banho, e neste local lhe foi pela pia abaixo as recordações dos assaltos que dirigiu com vários capangas, de que estes dois pilantras são uma diminuta amostra.
Naturalmente o sistema "deles" não poderia concluir de outro modo.

Anónimo 06.04.2017

Se existe ainda alguém que tem dúvidas sobre a eficiência,a eficácia da In(justiça) deste país ficou esclarecido.Porque não reduzir os recursos humanos que passam 8 anos a investigar e no final chegar a esta brilhante conclusão.Este país não tem instituições credíveis,a Justiça afinal serve para quê

POR UMA QUESTÃO DE DECÊNCIA, DEMITA-SE, SRA. PGR 05.04.2017

Agora já não devemos pedir à Justiça que nos proteja dos burlões e criminosos de colarinho branco, mas sim pedir que sejamos defendido de uma Justiça, que dá toda a liberdade aos criminosos para destruirem as principais provas incriminatórias e depois nos vem impingir que não encontrou provas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub