Banca & Finanças O que é a Haitong, a nova dona do BESI?

O que é a Haitong, a nova dona do BESI?

A Haitong International Holdings Limited entra na Europa e nas Américas, assim como na Índia, através da aquisição do BESI ao Novo Banco.
Negócios 08 de dezembro de 2014 às 15:54

A Haitong International Holdings Limited, que comprou o BESI, tem sede em Hong Kong e é detida a 100% pela Haitong Securities, uma sociedade cotada nas bolsas de Shangai e Hong Kong. A aquisição do BESI vai permitir a esta sociedade financeira sair das fronteiras do mercado asiático a que está limitada neste momento.

 

De acordo com o site oficial da Haitong International, além da China, Hong Kong e Macau, o grupo está apenas presente em Singapura.

 

"O Grupo tem uma base robusta de clientes e canais de distribuição alargados, com mais de 10 sucursais em Hong Kong e Macau", revela a companhia no seu site. Além disso, acrescenta-se, "o Grupo tem dois escritórios de representação em Pequim e Shangai e um companhia internacional – a Haitong International Securities Group – em Singapura".

 

Com a aquisição do BESI, a Haitong entra na Europa e na América. O BESI tem escritórios no Reino Unido, Irlanda, Polónia, Espanha, Estados Unidos, Brasil, México e Índia, neste último país na área da corretagem.

 

Ainda de acordo com o site oficial do grupo, a Haitong presta serviços financeiros a mais de 4,6 milhões de clientes de 12 mil institucionais com mais de 240 escritórios espalhados pelas 30 províncias chinesas.

 

O chairman da Haitong International Securities Group Limited é Ji Yuguang e o presidente executivo Li Jianguo, ainda segundo o site do grupo.

 

A administração do Novo Banco anunciou esta segunda-feira, feriado de 8 de Dezembro, que vendeu a totalidade do BESI à Haitong International Holdings Limited por 379 milhões de euros, equivalente ao valor estimado dos activos líquidos.

 

A aquisição foi anunciada através de comunicado da CMVM e foi enviada aos órgãos de comunicação social uma fotografia representativa da assinatura da venda, onde está Eduardo Stock da Cunha e José Maria Ricciardi mas sem a identificação dos responsáveis chineses.


A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 08.12.2014

Já que os chinocas estão cheios de dinheiro também podiam levar o Novo Banco...e já agora também o Banco Mau.
Levem tudo... Se quiserem também podem levar o Salgado, os Espiritos Santos, os Morais, os Ricciardi,.... faziam um enorme favor a Portugal.

comentários mais recentes
Anónimo 08.12.2014

Pois os amigos defendem-se uns aos outros têm sido asssim em Portugal
por isso nunca sabemos onde está a verdade,cheira a massonaria.

Anónimo 08.12.2014

Vão-se os aneis, fiquem os dedos.

Chinesinho 08.12.2014

Os portugueses receberam dos chineses Macau porque expulsaram os piratas do mar da China .Agora são os chineses que vão expulsar os piratas do 74 das empresas de que eram donos disto tudo. Força nisso aí seus chineses ,expulsem esses piratas para o 44

Papel Comercial 08.12.2014

O advogado Miguel Reis diz:
Vamos opor-nós a esta operação. O Novo Banco não é dono do BESI e corre-se o sério risco de nada pagar a ninguém se o vender...

Quando pagam o papel Comercial?
Uma mega fraude nunca vista, nem uma palavra sobre as pessoas que estão a espoliar, com a passividade de todos!!!! Incrível!!!
4 meses sem pagar o PC que diziam um produto seguríssimo, do Banco Espirito Santo, e que era tão ou mais seguro que um depósito a prazo..blá, blá, blá , blá...
Produto para o qual já sabiam não haver possibilidade de reembolso, pois as empresas detentoras deste papel, cujo nome e documentação era omitido já estavam falidas.
Uma vergonha a espera pela solução legitima para o papel comercial e já contemplada por Victor Bento e provisionada na íntegra nos balanços.
Isto não se faz!
Provas da vigarice, não faltam. Falta, é atuação das autoridades.
O Supremo Tribunal de Espanha condenou o BES em Espanha a devolver 2 milhões de euros a clientes que subscreveram títulos de dívida de dois bancos internacionais sem saberem que estavam a comprar aqueles produtos.

Aqui fizeram a mesma coisa com o Papel Comercial e não pagam como assumiram, porque esperam os lesados para se manifestar

DECO queremos uma manifestação para Lisboa e Porto
Provedoria de justiça, CMVM, BP porque estão em silêncio?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub