Tecnologias Amazon recebeu 238 propostas para construir a sua segunda sede

Amazon recebeu 238 propostas para construir a sua segunda sede

Já tinha sido noticiado que a Amazon poderia receber milhões pela construção da sua segunda sede. Esta segunda-feira foi divulgado que a empresa recebeu 238 propostas de localizações.
Amazon recebeu 238 propostas para construir a sua segunda sede
Negócios 23 de outubro de 2017 às 23:10
A Amazon anunciou em Setembro a sua intenção de construir uma segunda sede e logo surgiram várias propostas de localização, que poderiam ser entregues até à última quinta-feira. A empresa já revelou o número de propostas recebidas: 268, segundo a Reuters.

A retalhista online diz ter recebido propostas de 54 estados, províncias e distritos, oriundas dos EUA, Canadá e México.

A empresa liderada por Jeff Bezos revelou na altura que tinha um orçamento de até 5.000 milhões de dólares para construir a sua segunda sede (a primeira fica em Seatle). Mas recebeu inúmeras propostas de créditos fiscais que superam este investimento.

New Jersey propôs à empresa fundada por Jeff Bezos (na foto) um incentivo de 7 mil milhões de dólares, se a empresa construir a "Amazon HQ2" em Newark e se comprometer com um determinado número de contratações.

 

Se for esta a escolha da Amazon, a empresa pode em teoria vir a ganhar dinheiro com a construção de uma nova sede, uma vez que os incentivos serão superiores aos custos estimados.

 

A retalhista online tem como objectivo criar 50 mil empregos com a construção da nova sede, que já recebeu dezenas de propostas de diferentes regiões dos Estados Unidos.

A Amazon não revelou o montante de incentivos que recebeu nas propostas entregues, sendo que uma decisão sobre a localização da segunda sede da retalhista só será tomada no próximo ano.







A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar