Transportes AMT inicia inspecção aos TST devido ao número de reclamações

AMT inicia inspecção aos TST devido ao número de reclamações

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes quer conhecer os contratos e as carreiras de 36 operadores rodoviários, disse o presidente do regulador no Parlamento, admitindo que desta análise pode vir a seguir-se uma inspecção.
AMT inicia inspecção aos TST devido ao número de reclamações
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Babo 25 de janeiro de 2017 às 13:32

O presidente da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), João Carvalho, avançou no Parlamento esta quarta-feira que o regulador iniciou uma acção inspectiva à Transportes Sul do Tejo (TST) "devido à quantidade de reclamações que existem".

O responsável adiantou ainda que a AMT iniciou também um processo de análise a 36 operadores de transporte rodoviário, representativos de 86% das carreiras registadas.

O objectivo da AMT, explicou, é conhecer os contratos que têm e quais as carreiras de operem de forma a poder fazer "uma análise do que existe no País".


No final da audição na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, João Carvalho explicou que este trabalho junto de 36 operadores de todo o país "não é uma inspecção, mas poderá dar origem depois a uma acção inspectiva".

Relativamente à acção inspectiva realizada em 2016 ao Metropolitano de Lisboa, João Carvalho adiantou que, na sequência do relatório preliminar, está ainda a decorrer o período para o contraditório, prevendo que o relatório final seja enviado ao Governo e ao Metro em Fevereiro.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub