Banca & Finanças Apollo entregou proposta melhorada a 4 de Janeiro

Apollo entregou proposta melhorada a 4 de Janeiro

O Banco de Portugal já iniciou a nova ronda de negociações com a Lone Star e o consórcio Apollo/Centerbridge. No primeiro caso, a prioridade é deixar cair a garantia pública exigida pelo candidato. No segundo, o objectivo é tornar a oferta melhorada vinculativa.
Apollo entregou proposta melhorada a 4 de Janeiro
Maria João Gago 06 de janeiro de 2017 às 17:42

A nova ronda de negociações entre o Banco de Portugal e os dois candidatos que ainda estão na corrida à compra do Novo Banco já começou. Nas conversações com a Lone Star, a prioridade do supervisor é fazer com que o investidor norte-americano deixe cair a garantia pública exigida.

Nas negociações com o consórcio Apollo/Centerbridge, que entregou uma proposta melhorada a 4 de Janeiro, o principal objectivo é tornar vinculativas todas as componentes da oferta.

 

São estas as linhas de negociação definidas pela equipa do Banco de Portugal, liderada por Sérgio Monteiro, para as próximas semanas, sabe o Negócios. Dentro do supervisor há a convicção de que os dois tabuleiros em que, neste momento, se joga o processo de venda do Novo Banco, vai permitir encontrar uma solução privada para a instituição.

 

Na oferta da Lone Star, neste momento, o único obstáculo é o facto de prever uma garantia do Estado para activos não rentáveis, uma exigência que o Governo já disse que não aceita para não por em causa as contas públicas. Pelas condições financeiras em cima da mesa, a proposta podia já ter dado lugar a um contrato de venda.

 

Aliás, ao que o Negócios apurou, este investidor já tem uma proposta de contrato de compra e venda. Ou seja, logo que a Lone Star prescinda da garantia de Estado há condições para fechar um negócio com o candidato mais bem posicionado.

 

Já no caso da aliança Apollo/Centerbidge não é neste momento claro se a última versão da sua proposta inclui ou não as garantias públicas previstas na primeira oferta firme. Certo é que ainda não há uma proposta de contrato de compra e venda acordada.

 

As próximas semanas vão ser de negociações intensas. Até porque o Governo já avisou que quer uma solução célere para o Novo Banco. 



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado gatogato Há 1 semana

Ou vende-se já ou os prejuízos continuarão e o valor do banco ainda mais baixará. A teoria do não vender para já para "valorizar" e vender depois é a maior palermice que já ouvi. Desde quando, nos tempos que correm, com o malparado continuadamente a aumentar, um banco português, ainda por cima, semi-público ou sem dono definido tem alguma hipótese de dar um tostão de lucro que seja???

comentários mais recentes
Contribuinte esmifrado Há 1 semana

LIQUIDAÇÃO... é a única solução para o Novo Banco... já chega de pagar os roubos dos bancos.... Liquidação... Liquidação... Liquidação...

Ciifrão Há 1 semana

O governo anda entretido em caçar votos com promessas demagógicas em vez de tratar da economia, o resultado é um cada vez maior buraco financeiro. Os estado dos bancos é o reflexo da saúde da economia: em coma profundo.

gatogato Há 1 semana

Ou vende-se já ou os prejuízos continuarão e o valor do banco ainda mais baixará. A teoria do não vender para já para "valorizar" e vender depois é a maior palermice que já ouvi. Desde quando, nos tempos que correm, com o malparado continuadamente a aumentar, um banco português, ainda por cima, semi-público ou sem dono definido tem alguma hipótese de dar um tostão de lucro que seja???

Anónimo Há 1 semana

Nacionalização já. Os trabalhadores querem continuar a receber os seu salários.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub