Banca & Finanças Banif Imobiliária reduz capital de 100 milhões para 50 mil euros

Banif Imobiliária reduz capital de 100 milhões para 50 mil euros

A empresa da área imobiliária do Banif, que está no veículo Oitante, realizou uma redução da quase totalidade do seu capital. O objectivo foi cobrir prejuízos. A Oitante não responde a questões sobre o tema.
Banif Imobiliária reduz capital de 100 milhões para 50 mil euros
Diogo Cavaleiro 18 de Novembro de 2016 às 14:03

Os prejuízos obrigaram à realização de uma redução de capital da Banif Imobiliária. O capital social da empresa que está integrada no veículo Oitante, detida pelo Fundo de Resolução, foi reduzido na sua quase totalidade.  

 

A redução de capital da Banif Imobiliária foi de 99,95 milhões de euros, segundo foi deliberado a 27 de Outubro, de acordo com uma publicação no portal da Justiça. Depois desta redução, o capital da empresa fixou-se em 50 mil euros. Ou seja, desceu de 100 milhões para 50 mil euros.

A finalidade da operação da Banif Imobiliária, que pertence à Oitante, veículo liderado por Miguel Artiaga Barbosa (na foto), que foi administrador do Estado no Banif até à sua queda, foi uma: "cobertura de prejuízos".

Não há números actualizados sobre a situação líquida da Banif Imobiliária, que está na Oitante desde 20 de Dezembro de 2015, quando foi determinada a resolução do Banif. As últimas contas conhecidas são de Junho de 2015, altura em que a empresa da área do imobiliária do banco fundado por Horácio Roque já estava numa situação patrimonial negativa: a diferença entre os activos e os passivos resultava em capitais próprios negativos de 12 milhões de euros.


Nos primeiros seis meses, a linha de resultados não estava a melhorar: os prejuízos já ascendiam a 17 milhões de euros, devido às menos-valias registadas nas vendas de imóveis que estavam a ocorrer e ao efeito da desvalorizações dos fundos imobiliários que se encontravam na sua carteira de activos. O desenvolvimento do negócio - que passava pela alienação de imóveis - ao longo do resto do ano não é conhecido.

 

Desde Agosto passado que a Banif Imobiliária tem como presidente, para um mandato até 2018, Gladstone de Siqueira, que já integrava os quadros da instituição financeira.

Tal como tem acontecido desde a resolução, a Oitante recusa-se a dar explicações sobre a sua actividade incluindo sobre este caso em particular, não explicando porque foi feita a redução de capital nem quais são os passos seguintes.

 

Na Oitante, e daí na esfera pública por estar no Fundo de Resolução, encontram-se ainda vários activos que pertenciam ao Banif, como o Banif Capital e o Banif Pensões. A venda de imóveis era uma das suas principais missões.

 

Desde que existe, o veículo vendeu o Banif Banco de Investimento à empresa chinesa Bison Capital e a Açoreana à Tranquilidade. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Cruzando com a informação que circula nos corredores quanto à constituição de uma empresa de capitais privados para prestar serviços à Oitante na área Imobiliária, pode dar-se o caso de a desvalorização do património do Estado vir a constituir uma grande mais valia para privados.
Espero que quem tem e a tutela desta empresa escrutine devidamente... Antes que se consume um roubo.

Anónimo Há 2 semanas

Os jornalistas têm de andar atentos: http://www.vozpopuli.com/economia-y-finanzas/banca/inmobiliarias-Santander-CaixaBank-primer-portugues_0_972803234.html

Anónimo Há 2 semanas

Não percebo porque não são públicas as contas de: uma empresa publica. Que seguramente foi, está a ser e vai continuar, o negócio da vida para alguns. Vão desaparecer centenas de milhões (muitas) de imobiliário a preços ridículos, que logo serão vendidos por fortunas. Mais um negócio em que não se compreende a posição do BE e do PCP; já dos outros...Falam, falam, mas o que aqui vai desaparecer servia para mais do que vão dar aos reformados. Muito mais.

Anónimo Há 2 semanas

Vendem tudo; até o que não lhes pertence, agora mais 100 milhões para os bolsos de quem?
Será que não podem vender/comprar as acções que estão a espoliar os pequenos investidores e a dar lucro indevido aos bancos que guardam valor 0?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub