Empresas BE avança com projecto de resolução para Estado recuperar CTT

BE avança com projecto de resolução para Estado recuperar CTT

O BE defendeu hoje que o Estado pode invocar o incumprimento das obrigações de serviço público dos CTT para renacionalizar a empresa, e vai apresentar um projecto de resolução nesse sentido, anunciou o deputado José Soeiro.
BE avança com projecto de resolução para Estado recuperar CTT
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 28 de novembro de 2017 às 18:38

"Nós entendemos que os relatórios da ANACOM, o que têm apontado do ponto de vista de cumprimento do serviço de todas estas práticas que tendem a esvaziar e a destruir a empresa e incumprir as suas obrigações, são motivos suficientes para que o Estado possa invocar, em nome do interesse público, o resgate da empresa", defendeu José Soeiro.

 

O projecto de resolução, que foi hoje entregue, recomenda ao Governo que "inicie o processo de recuperação do controlo e gestão do serviço postal universal por parte do Estado, através do resgate da concessão do serviço público dos correios e da sua rede pública aos CTT".

 

O grupo parlamentar do BE recebeu hoje sindicatos do sector e a comissão de trabalhadores dos CTT, que receia pela empresa e o caminho "galopante de perda de qualidade de serviço", e também pelos mais 400 trabalhadores que estão a ser abordados para rescindir contrato.

 

A comissão de trabalhadores defende que "o Estado volte a ter o controlo da empresa" como forma de reverter a degradação do seu serviço e a sua descapitalização, à semelhança do que argumenta o BE.

 

"Tem vindo a ser esvaziada a empresa, tem vindo a ser descapitalizada, o que é muito grave. Uma empresa que no ano passado teve lucros de 62 milhões distribuiu dividendos no valor de 72 milhões significa que está a descapitalizar a empresa", apontou José Soeiro.

 

O deputado bloquista vincou que, "ao mesmo tempo, a empresa tem vindo a mostrar um profundo desrespeito pelos direitos dos trabalhadores", abordando para rescisões amigáveis não só as pessoas que há mais tempo estão na empresa mas também trabalhadores com mobilidade condicionada porque foram vítimas de acidentes de trabalho.

 

José Soeiro frisou que "está previsto no contrato de concessão que o Estado pode resgatar, nomeadamente, se a empresa estiver a incumprir as obrigações a que se vinculou com esse contrato".

 

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) confirmou a 6 de Novembro que os CTT não cumpriram o valor mínimo fixado para o indicador do correio normal não entregue até 15 dias úteis e determinou a aplicação do mecanismo de compensação.

 

"Este mecanismo implica que a concessionária do serviço postal universal terá que aplicar uma dedução de 0,03 pontos percentuais à variação média ponderada dos preços do cabaz de serviços de correspondências, encomendas e correio editorial, permitida para 2017, devendo a referida dedução beneficiar a universalidade dos utilizadores daqueles serviços", indicou, em comunicado, a o regulador.

 

A dedução deverá ser, integralmente, aplicada até ao dia 31 de Dezembro de 2017.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 1 semana

Estamos cada vez mais FOIDIDOS....

Estes pacóvios de esquerdalha, que mais parecem um grupo de ganzados da faculdade, querem cá a TRAMPA da Europa, idêntica a Veznezuela ou Coreia do Norte!
Vão fumar uns charros para Cuba!!!

Agricultor Há 1 semana

Por este andar ainda vão recuperar também a reforma agrária...

Anónimo Há 1 semana

As cartas diminuem mas os custos de pessoal ficariam, para o contribuinte pagar!
Uma ideia mesmo à Bloco e sindicatos.

CTT Há 1 semana

Se os CTT continuarem a caminhar neste sentido, é evidente que irão acabar no Estado.
Mais uma empresa portuguesa com uma gestão vergonhosa. Mais do que vergonhosa!!

ver mais comentários