Empresas Caso EDP: Juiz arrasa Ministério Público e “iliba” ex-ministro Manuel Pinho

Caso EDP: Juiz arrasa Ministério Público e “iliba” ex-ministro Manuel Pinho

O juiz de instrução criminal arrasa a investigação do Ministério Público e não vislumbra provas contra o ex-ministro da Economia, que foi constituído arguido no âmbito da investigação em torno de um alegado esquema de corrupção que envolve a EDP.
Caso EDP: Juiz arrasa Ministério Público e “iliba” ex-ministro Manuel Pinho
Não existem provas de crime de corrupção de que Manuel Pinho está indiciado, garante o juiz de instrução Ivo Rosa.
Pedro Elias
Negócios 29 de julho de 2017 às 13:54

"Não se vislumbra a existência de indícios, ainda que mínimos, da prática do alegado crime de corrupção por parte do suspeito Manuel Pinho", garante o juiz de instrução criminal Ivo Rosa, na nota em que arrasa a investigação do Ministério Público, impedindo-o de fazer buscas a casa do antigo ministro da Economia.

 

No documento que o Expresso divulga na edição deste sábado, Ivo Rosa justifica que "nada resulta que a pessoa em causa, enquanto ministro da Economia, actuou, no exercício das suas funções públicas, com a intenção de dar protecção aos interesses e pretensões da EDP e dos arguidos António Mexia e João Manso Neto, solicitando ou aceitando destes vantagens patrimoniais ou não patrimoniais, directas ou indirectas".

 

Ainda segundo o documento divulgado pelo Expresso, Ivo Rosa sublinha também que "nada indicia que Manuel Pinho tenha tido uma intervenção activa determinante nos acontecimentos que se relacionam com o fim dos CAE [Contratos de Aquisição de Energia] e com a celebração dos CMEC [Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual]".

 

De acordo com o semanário, o juiz de instrução admite apenas que Pinho teve uma intervenção no processo, em 2007, na fixação da taxa de juro (7,55%) para a remuneração de uma das parcelas dos CMEC, mas que, ainda assim, até ao momento "nada indicia a existência daquilo a que podemos chamar o mercadejar com o cargo de ministro".

 

Sobre o facto de Manuel Pinho ter dado aulas na Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, e de a EDP ter patrocinado aquela instituição, "é manifestamente insuficiente para concluirmos que isso consistia numa vantagem indirecta em troca das pretensões da EDP", considera Ivo Rosa.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 31.07.2017

A justiça está toda configurada para safar os grandes vigaristas e mafiosos deste país. Vivemos numa republica das bananas!!! Não foi por acaso que este figurão teve um cargo de Administrador no BES Africa cujas funções se resumiam a fazer NADA e recebia um ordenado pornográfico!!! Foi um dos pontas de lança do salgado junto do poder politico. Só os avençados que por aqui andam o dia todo é que têm a falta de vergonha de o defender!!!

E PRA QUANDO UMA INVESTIGACAO SERIA A ACTIVIDADE D 31.07.2017

Pra quando uma investigacao profunda e sistematica a accao/intervencao de certos ATORES do MP e ou Juizes, particularmente em tudo que tenha tido relacao com os casos/decisoes que tiveram COMO CENTRO figuras politicas ou publicas nos ultimos 8 anos ?

Ana 29.07.2017

O tal que não autorizou escutas no âmbito das denúncias sobre um possível assalto em Tancos e que foi corrido de Timor Leste. Isto está bonito!

O MP e a PGR são o cão de guarda do PSD. A Vidalha 29.07.2017

foi nomeada pelo Silva com a missão de prender o Sócrates para o impedir de chegar a PR, e de inventar acusações contra gente do PS sempre que for oportuno para o fazer perder eleições - caso dos secretários de estado. Deve também ignorar ou arquivar tudo que se refira ao PSD. Está a cumprir tudo.

ver mais comentários
pub