Energia Consumidores pagam 112 milhões na luz para subsidiar indústria

Consumidores pagam 112 milhões na luz para subsidiar indústria

Os descontos aplicados às empresas estão a ser revistos pelo Governo. As unidades industriais estão preocupadas com os cortes, segundo adianta o Público desta segunda-feira, 16 de Janeiro.
Consumidores pagam 112 milhões na luz para subsidiar indústria
Miguel Baltazar
Negócios 16 de janeiro de 2017 às 09:14

Os consumidores vão pagar, este ano, 112 milhões de euros na factura da luz para subsidiar as grandes indústrias, segundo as contas da ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos) pelo serviço de interruptibilidade.


Estas remunerações, que agora o Governo está a rever, asseguram que em caso de sobrecarga do sistema eléctrico, esses grandes consumidores se comprometem a reduzir os seus consumos e, assim, garantir a segurança do abastecimento.


A maior remuneração, segundo o Público, cabe à Siderurgia Nacional, com 33,5 milhões de euros e tem sido contestada pelo Bloco de Esquerda, tendo sido eleita como custo a abater no grupo de trabalho criado para este fim.


Os 50 grandes consumidores abrangidos pelo sistema serão chamados a fazer testes para provar que estão disponíveis para aliviar o sistema eléctrico, se for necessário.


Fonte oficial da Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Consumidores de Energia Eléctrica (APIGCCE) disse ao Público que as empresas representam 10% do consumo eléctrico em Portugal e 25% do industrial e que já simularem "uma ordem externa de redução de consumo, tal como seria feito pela REN em funcionamento normal".


As indústrias estão preocupadas com a revisão, sobretudo se implicar "uma redução nas contrapartidas inerentes" ao serviço da rede. 


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 16.01.2017

É pá, estão a ir-me ao bolso e de que maneira ...

Tanta ladroagem, bem mais do que pensava.

Claro, o estado é uma coisa horrível, mas que continue a dar-me o subsdídio que consegui sabe-se lá como ...

Paga Zé Povinho, e nada de bufar!

pub
pub
pub
pub