Empresas Dados de milhões de americanos alvo de ataque cibernético

Dados de milhões de americanos alvo de ataque cibernético

A Equifax, uma das três grandes empresas de informação de crédito, foi alvo de um ataque cibernético. Com este ataque, cerca de metade da população americana ficou vulnerável uma vez que os piratas acederam a dados pessoais dos cidadãos.
Dados de milhões de americanos alvo de ataque cibernético
Reuters
Ana Laranjeiro 08 de setembro de 2017 às 11:54

A Equifax, uma das três maiores empresas de informação de crédito, foi alvo de um ataque cibernético esta quinta-feira, 7 de Setembro. Cerca de metade da população americana foi afectada por este ataque. Os piratas terão acedido a nomes, moradas, números de segurança social de, potencialmente, 143 milhões de consumidores, admitiu a empresa em comunicado esta quinta-feira, citado pela Bloomberg.

A empresa explicou ainda que os piratas informáticos tiraram partido "de uma vulnerabilidade da aplicação do website para terem acesso a determinados ficheiros", desde meados de Maio até Julho deste ano. Além disso, os hackers terão também acedido a documentos relativos a litígios que continham informações pessoais de cerca de 182 mil consumidores.

Relativamente ao número de cartões de crédito, a empresa estima que os piratas cibernéticos tenham conseguido ter acesso aos números de 209 mil consumidores.

Para que os clientes possam perceber se os seus dados foram comprometidos, a empresa criou um website onde podem ter acesso a essa informação.

Depois deste ataque, vários especialistas já classificaram o evento como bastante grave. Paul Martini, CEO da Iboss, uma empresa de cibersegurança, disse à Bloomberg que o ataque foi "enorme". "Isto ofusca qualquer outra falha que tenhamos visto até aqui – não apenas em volume, tamanho, mas também no tipo de dados que estavam na base de dados", acrescentou.

Tim Crosby, consultor da empresa de avaliação de risco Spohn, partilha também da visão de que este ataque foi "enorme". "Esperaria que estas pessoas tivessem compartimentalizado estes dados longe o suficiente do servidor web – de forma que não houvesse maneira deles acederem directamente", acrescentou citado pela Bloomberg.

Executivos vendem acções

A agência de informação adianta ainda que três executivos de topo venderam acções tinha na empresa antes do anúncio do ataque cibernético. Três executivos seniores venderam acções no valor de 1,8 milhões de dólares, dias antes da empresa ter descoberto a falha de segurança.

Contudo, a empresa explicou em comunicado que os três executivos não tiveram conhecimento da falha de segurança.

De acordo com a Bloomberg, a Equifax comunicou que descobriu que tinha sido alvo de um ataque a 29 de Julho. Os registos regulatórios indicam que três dias depois, o CFO, John Gamble, vendeu acções no valor de 946.374 dólares. Joseph Loughran, presidente da U.S Information Solutions, exerceu opções de venda de acções no valor de 584.099 dólares. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub